Exército se une a Aeronáutica no resgate dos corpos das vítimas

Atendendo a um pedido das famílias dos passageiros do Boeing da Gol, 20 militares do Exército Brasileiro vão se juntar aos 90 da Aeronáutica que já estão na área do acidente, Fazenda Jarinã, para tentar apressar o resgate dos corpos das vítimas do acidente.Os militares são especialistas em sobrevivência e guerra na selva e trabalham no Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) de Manaus. Não há prazo determinado para estes militares permanecerem na área. Se for necessário, eles serão substituídos por outros para dar prosseguimento às buscas. Outros cem militares estão atuando no Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), na Serra do Cachimbo.Na quarta-feira, pela manhã, uma aeronave VU-9 Xingu foi engajada na operação para prestar apoio logístico. No total, oito aeronaves, das quais cinco helicópteros, estavam sendo empregadas no dia de ontem.De acordo com nota da Aeronáutica divulgada na quarta-feira, um total de 38 despojos mortais haviam sido retirados da área do acidente, com apoio de helicópteros, e levados para a fazenda Jarinã. Uma aeronave C-115 Buffalo da Força Aérea Brasileira decolou da fazenda Jarinã para Brasília, com 16 despojos mortais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.