Leonardo Zvarick
Leonardo Zvarick

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Explode Coração leva baianidade para o centro de São Paulo

Bloco toca músicas de Maria Bethânia na Praça da República 

Leonardo Zvarick , O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 13h17

Alteza Tropical no País das Bananas. Esse é o mote da terceira edição do bloco Explode Coração, que ocorre na Praça da República, centro de São Paulo. Com o tema, organização pretende passar mensagem de preservação.

"A cada ano escolhemos um álbum de Maria Bethânia pra desenvolver a temática. Nesse ano, foi escolhido 'Alteza', de 1981", explica Giselle Galvão, criadora e diretora criativa do bloco. "Assim, temos Bethânia como curadora, já que é também grande intérprete de outros artistas".

A concentração em torno do trio elétrico começou por volta das 11h. Por volta de 12h30, o bloco começou a andar, acompanhado por cerca de 100 mil foliões.

O discurso de abertura foi marcado pela defesa de liberdades e forte tom político, com homenagens a Marielle Franco, morta há quase um ano, e a Moa do Katendê, mestre de capoeira assassinado durante a campanha presidencial do ano passado.

Enquanto o Explode Coração desfila pelo Centro, São Paulo vira Bahia. Assim explica Giselle, natural do estado de Bethania. A seleção musical ganha nova forma e faz referência aos ritmos afrobrasileiros.

 Entre os foliões que acompanham o bloco, há gente de todas as idades. Rodrigo Albuquerque, de 47 anos,  mora na região e frequenta o bloco desde a primeira edição. Nesse ano, trouxe pela primeira  vez o filho Davi, de 11. "Das outras vezes ele não se interessou, mas nesse ano trouxe forçado e ele está gostando muito. Ontem fomos no bloco do Caetano e agora viemos curtir Bethânia".

Às 13h20, em frente à biblioteca Mário de Andrade, o público começou a entoar "ele não" e outras mensagens de protesto contra o presidente Jair Bolsonaro.

Às 15h40, o caminhão de som começou a retornar à Praça da República. Cerca de vinte minutos depois, começou a chover sobre o bloco.

A água, entretanto, não atrapalhou a festa, que seguiu até depois das 16h. Para encerrar a apresentação, a banda tocou  'Chuva suor e cerveja', de Caetano Veloso, 'Festa', de Luiz Gonzaga, e 'Explode coração', de Bethânia.

Em seguida, finalizou como a homenageada faz em seus shows, apresentando 'O que é, o que é?', de autoria de Gonzaguinha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.