Explosão de celular incendeia casa em MG

A explosão de um aparelho celular é a principal suspeita da polícia para a causa de um incêndio que atingiu uma residência na manhã desta quarta-feira, 21, em Ilicínea, na região sul de Minas Gerais. O autônomo Márcio Ferreira da Silva contou que saiu para trabalhar e deixou o celular carregando na estante da sala. Acompanhado da esposa, ele deixou a casa, no bairro Santa Maria, na periferia do município, por volta das 6h30. Conforme a Polícia Militar, cerca de meia hora depois, vizinhos escutaram um barulho e em seguida avistaram fumaça saindo do local.O fogo se alastrou rapidamente e queimou os móveis da sala, e diversos eletrodomésticos, como aparelhos de TV, DVD e som; um ventilador, entre outros objetos. As labaredas, de acordo com o sargento Edivaldo Pereira da Silva, chegaram ao quarto onde estavam os dois filhos do casal, de sete e 11 anos de idade. As crianças, porém, já haviam deixado a residência e não sofreram ferimentos.Policiais militares, com a ajuda dos populares, conseguiram debelar o fogo. "A suspeita é que o fogo tenha sido provocado pelo aparelho celular", disse o sargento. Silva disse, no entanto, que está convicto de que o incêndio foi provocado pela explosão do telefone móvel. "Não tenho dúvidas", afirmou o autônomo, que vive de trabalhos eventuais como motorista e estava desolado com os danos materiais. Segundo ele, o fogo atingiu quatro dos cinco cômodos da casa. "Detonou tudo. O reboco do teto chegou a cair, televisão e os outros eletrodomésticos ficaram derretidos, o chuveiro também...", lamentou. Ele disse que nenhum bem estava segurado. "Trabalho avulso. Não tenho serviço fixo, sou pobre". Márcio afirmou também que adquiriu o celular a aproximadamente dois meses e que ainda não decidiu o que vai fazer para tentar reaver o prejuízo. Segundo ele, a nota fiscal do aparelho foi destruída pelas chamas. A residência foi isolada e o local seria periciado pela Polícia Civil. Um laudo deverá indicar a causa do incêndio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.