Explosivos são encontrados em presídio na região de Sorocaba

Agentes penitenciários apreenderam uma granada e três bananas de dinamite, além de armas, munições e celulares, numa das celas da Penitenciária Estadual Odilon Ramos Maranhão, em Iperó, na região de Sorocaba. Os explosivos, com potência suficiente para explodir a muralha do presídio, estavam escondidos em um espaço oco da cela, entre a parede e o teto. Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária, o arsenal foi encontrado durante uma revista de rotina realizada no último dia 25. A apreensão só foi divulgada hoje, depois que o material foi encaminhado para o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Antes, os explosivos foram examinados por juízes e promotores da Vara de Execuções Criminais de Sorocaba. A administração do presídio, que abriga 1.200 presos, abriu sindicância para apurar como o material entrou na penitenciária. Há evidências de que o material seria utilizado num plano de fuga em massa. Uma possível ação de grupos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) também está sendo investigada. No presídio, considerado de segurança média, não estão presos líderes da organização criminosa, mas o PCC tem muitos adeptos na penitenciária. A relação do material apreendido inclui duas pistolas semi-automáticas de calibre 380, três carregadores, 71 projéteis, oito telefones celulares, oito pedaços de serra, uma broca, um alicate, duas facas artesanais, um martelo e droga - 11 invólucros com cocaína e 5 com maconha. Os presos que estavam na cela foram remanejados. A administração do presídio tem mais 25 dias para encerrar a sindicância. Só este ano, foram apreendidos mais de 140 celulares nas penitenciárias do Estado. Com a instalação de aparelhos de raio-x nas unidades, a entrada desses equipamentos deve diminuir, segundo a Secretaria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.