FAB conclui inquérito e pede punição de controladores de vôo

O Comando da Aeronáutica encerrou Inquérito Policial Militar (IPM) e recomendou ao Superior Tribunal Militar (STM) a abertura de processo contra os cinco controladores de vôo acusados de lideram um motim, em 30 de março, que paralisou os aeroportos do País, segundo informações da Globonews. Luiz Marques, Moisés Gomes de Almeira, Wellington Andrade Rodrigues, Edileuso Sousa Cavalcanti e Wellington Fábio de Lima - já afastados de suas funções - trabalhavam no Cindacta-1 (centro de controle do tráfego aéreo), em Brasília. O documento foi entregue na última sexta-feira pela Força Aérea Brasileira (FAB) ao Ministério Público Militar. A Procuradoria-Geral de Justiça Militar deverá analisar o inquérito e decidir se pede a abertura de um processo que poderá resultar na expulsão dos controladores da Aeronáutica e pena de prisão de até oito anos. Quando aconteceu o motim, a Aeronáutica prendeu 18 controladores militares de vôos que estavam aquartelados por insubordinação a seus superiores ou recusa em trabalhar. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a desautorizar o comando das Forças Armadas, recuando nas intervenções dias depois.

08 Julho 2007 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.