FAB indicia cinco controladores por acidente da Gol, diz jornal

IPM acusa os controladores de terem agido com "displicência", "relaxamento", "falta de diligência" e "demora"

02 Outubro 2007 | 10h00

Diferentemente da Polícia Federal, que havia indiciado quatro controladores de vôo e os dois pilotos do jato Legacy como os principais responsáveis pelo choque entre um Boeing 737-300 da Gol e um jato Legacy, em 29 de setembro de 2006, quando 154 pessoas morreram, a Força Aérea Brasileira (FAB) aumentou o número de controladores indiciados para cinco.   Segundo reportagem da Folha de S.Paulo publicada nesta terça-feira, 2, o Inquérito Policial Militar (IPM) encontrou 11 fatores para o acidente desencadeados pelos controladores ou pelos pilotos do jato Legacy - que colidiu com o Boeing da Gol. O documento foi encaminhado à Justiça Militar pelo comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, no dia 19 de julho.   A Folha de S. Paulo diz que o documento acusa os controladores de terem agido com "displicência", "relaxamento", "falta de diligência" e "demora excessiva" nas tentativas de comunicação no dia do acidente.   Todos eles são do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta-1), de Brasília, e também fazem parte de lista de indiciados pela Polícia Federal. A Aeronáutica, no entanto, indiciou também o controlador João Batista da Silva, de São José dos Campos (91 km a nordeste de São Paulo), de onde o Legacy decolou tendo os Estados Unidos como destino final.   Segundo a reportagem, o controlador Batista conhecia o plano, mas não questionou a orientação de Brasília e a repassou para os pilotos do Legacy citando apenas 37 mil pés e o aeroporto de Manaus. Ele havia sido convocado no IPM como testemunha, mas acabou indiciado.   Inquérito da PF   Fora da esfera militar, as investigações da PF (Polícia Federal) terminaram com a acusação de quatro controladores e dos dois pilotos do Legacy. O inquérito da Polícia Federal de Mato Grosso sobre a tragédia diz que os controladores do Cindacta-1 receberam três avisos de que o jato Legacy voava fora da altitude prevista e não tomaram providências para evitar o choque com o Boeing da Gol.   Os sargentos Leandro José Santos de Barros, Jomarcelo Fernandes dos Santos e Lucivando Tibúrcio de Alencar também são citados. Na visão dos policiais federais, esses controladores infringiram itens do ICA 100-12 - norma aeronáutica - e tiveram condutas inadequadas diante do problema.

Mais conteúdo sobre:
choque aéreo investigação da FAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.