FAB interrompe busca de corpos de acidente no ES

A Força Aérea Brasileira (FAB) interrompeu na tarde desta segunda-feira, 16, as buscas às vítimas do acidente com o avião Seneca, que saiu do Rio de Janeiro com destino a Porto Seguro e caiu no litoral do Espírito Santo na sexta-feira. O tempo nublado e a má visibilidade impediram o trabalho dos militares que procuram as vítimas em dois aviões. Ainda não foram localizados o piloto da aeronave, o major-coronel reformado da Aeronáutica Alduíno Coutinho de Souza, seu filho Rafael Oliveira de Souza e a noiva deste, Fátima Campos Lopes. Os bombeiros, porém, continuam as buscas em lanchas. Pela manhã, a família do piloto comemorou o envio, pela Marinha, de um navio movido de sonar para procurar no fundo do mar os restos da aeronave. "Pode ser que alguns dos passageiros não tenham conseguido deixar o avião e estejam presos no fundo do mar", afirmou Danilo Coutinho, irmão de Alduíno, que acompanha os trabalhos de resgate em Vitória. No domingo, foram resgatados na Praia de Manguinhos, na Grande Vitória, e identificados os corpos de Ronilda Terezinha Oliveira de Souza, mulher do piloto, Alduíno Oliveira de Souza, seu filho, e Luana Pimentel, namorada dele.O plano de vôo, destroços da aeronave e a carteira do piloto também foram encontrados na Praia de Manguinhos e levados para o Quartel da Polícia Militar, na capital capixaba. Também foram recuperados bancos do avião e pertences pessoais das vítimas, que boiavam na Praia de Jaraípe. As praias ficam no município de Serra, na Grande Vitória.O acidenteOs seis passageiros partiram do Aeroporto de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio na sexta e pousaram em Vitória, onde abasteceram. De lá, seguiriam para Porto Seguro, na Bahia, onde passariam o fim de semana. O último contato do Seneca com a torre foi a 20 mil milhas do aeroporto - cerca de 40 quilômetros. Como alguns destroços do avião foram encontrados a apenas 15 quilômetros de distância do Aeroporto de Vitória, há a possibilidade de tenha ocorrido uma pane e que o piloto estivesse tentando retornar quando ocorreu o acidente. O avião não tem caixa-preta; então, a conclusão sobre as causas do acidente terá que ser feita pela análise dos destroços

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.