FAB pode escavar escombros de casas atingidas por Learjet

Componentes de avião que caiu em novembro em SP, matando 8 pessoas, ainda estariam enterrados no local

Bruno Tavares, O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2007 | 00h00

Investigadores da Aeronáutica estudam fazer novas escavações nos escombros das três casas atingidas pelo Learjet 35 da Reali Táxi Aéreo, que caiu em 4 de novembro nas imediações do Campo de Marte, na zona norte de São Paulo, matando oito pessoas. A suspeita é de que componentes do avião que ajudariam a esclarecer as causas da tragédia ainda estejam enterrados no terreno. A Subprefeitura de Santana, responsável pela região, já foi procurada e se prontificou a ceder tratores e retroescavadeiras para ajudar nas escavações.Antes de voltar ao local do acidente, porém, os peritos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes de São Paulo (Seripa-4) querem ter certeza de que o trabalho é indispensável. "Ainda estamos analisando os destroços do avião e cruzando os dados obtidos com a degravação da caixa-preta de voz. Se, mesmo com esses elementos, não conseguirmos chegar aos fatores que levaram ao acidente, voltaremos ao terreno para tentar encontrar essas peças", disse o tenente-coronel Wagner Cyrillo Júnior, chefe do Seripa-4.Os militares admitem que só voltarão a escavar os escombros em último caso. Além de a operação ser trabalhosa, nada garante que as peças serão encontradas - podem ter sido destruídas pelo impacto ou pelo fogo. "Não adianta ir lá agora. Temos de ver se isso é produtivo", explicou Cyrillo.A Aeronáutica mantém em sigilo as hipóteses mais prováveis para a tragédia. Fontes do setor, no entanto, não acreditam que ela tenha sido desencadeada apenas por uma falha dos motores, como se previu no início.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.