FAB restringe espaço aéreo para a realização da Rio+20

Área sobre o Riocentro tem sobrevoo exclusivo de aeronaves militares, de segurança pública e de serviços médicos

Agência Brasil,

12 Junho 2012 | 14h24

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo da Força Aérea Brasileira (FAB) restringe desde a última sexta-feira (8) o sobrevoo de aeronaves sobre algumas áreas da cidade do Rio de Janeiro. A medida faz parte do esquema de segurança para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). Uma área sobre o Riocentro com altitude ilimitada e raio de 1 km, com sobrevoo exclusivo de aeronaves militares, de segurança pública e de serviços médicos, já está ativada.  

O esquema de segurança não deverá causar impacto para os aviões que se destinem ou decolem dos aeroportos do Galeão e Santos Dumont durante o período da Conferência Rio+20, mas estão proibidos voos turísticos, de instrução ou de reboque de faixas, além de planadores, asas-delta e balões. As aeronaves que se destinarem a outras localidades serão desviadas.

A partir da próxima segunda-feira (18), algumas rotas visuais de aviões e helicópteros também serão suspensas. A área de 1 km de raio sobre o local da conferência será expandida para 4 km, onde será proibido voar a qualquer altitude, com exceção dos voos que partirem ou se destinarem ao aeroporto de Jacarepaguá. No dia 20, por ocasião do Segmento de Alto Nível da Conferência, para o qual são esperados os chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas, as regras para o espaço aéreo serão mais rígidas.

Com informações da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.