Fábrica de Toddynho em Guarulhos é autuada por lote com problema

No RS, 29 pessoas relataram queimaduras após ingestão da bebida com acidez de produto de limpeza

Solange Spigliatti, estadão.com.br

07 Outubro 2011 | 12h45

SÃO PAULO - A fábrica da Pepsico, em Guarulhos, na Grande São Paulo, foi autuada pela Vigilância Sanitária Estadual de São Paulo após inspeções promovidas juntamente com a Vigilância Sanitária do município. A fábrica foi autuada por fabricar, embalar, armazenar, expedir, transportar e colocar à venda produtos sem qualidade e segurança, expondo a risco a saúde dos consumidores.

Na última sexta-feira, a Vigilância de Porto Alegre apreendeu vários lotes do achocolatado Toddynho, produzido pela Pepsico, após algumas pessoas relatarem problemas como irritações e lesões da mucosa da boca depois de ingestão da bebida. Ao todo, 29 casos foram notificados em Porto Alegre e região metropolitana do Rio Grande do Sul.

Um dos laudos analisados pelo Laboratório Central (Lacen) divulgado na quinta-feira mostra que em um dos lotes, entre os 13 recolhidos, o pH do produto era de 13,3, alcalino, equivalente ao de produtos de limpeza como soda cáustica e água sanitária, e considerado muito alto para alimentos, que tem valores próximos a 7.

A equipe de inspeção da Vigilância de São Paulo concluiu que, embora a PepsiCo cumpra as normas de boas práticas de fabricação, houve falha pontual que envolveu um equipamento de esterilização da fábrica. Ainda segundo o relatório de inspeção, a empresa demonstrou por meio de documentos que possui sistema de rastreabilidade satisfatório, detectando que o produto foi distribuído equivocadamente para o Estado do Rio Grande do Sul e adotou as medidas necessárias para a correção do problema.

A Vigilância Sanitária Estadual mantém a interdição cautelar do lote em questão, de unidades de 200ml do achocolatado do lote com numeração de L4 32 05:30 a 06:30, todos com validade de 19/02/2012, para todo o Estado de São Paulo. A Pepsico pode recorrer. Caso haja uma multa, o valor pode chegar a R$ 175 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.