Fabricante suíça contesta Consórcio sobre troca de material

O motivo do Consórcio Via Amarela ter usado material de construção diferente do recomendado pelo Metrô de São Paulo para a construção da Linha 4 (Amarela) não foi a falta de estoque. Em matéria publicada na quinta-feira, o Estado, o engenheiro Wagner Marangoni confirmou que foi usada manta de impermeabilização de PVC com 2 milímetros de espessura, enquanto o contrato determinava uso de manta com 3 milímetros. A razão seria a indisponibilidade de encontrá-la no mercado. Segundo a Sika S.A., empresa suíça que forneceu o produto, "os dois tipos de manta sempre estão disponíveis. Em média, a entrega demora 75 dias úteis." Mudanças As empreiteiras passaram cerca de um ano discutindo qual manta seria usada nos 4,2 quilômetros de túneis onde o método de escavação era por explosões. Em 425 metros foi instalada a manta de 2 milímetros, segundo apurou o Metrô. Na quinta-feira, a companhia afirmou que apenas soube da mudança de planos durante fiscalizações no segundo semestre de 2006. O consórcio agora faz tratamento com injeções de componente químico para compensar a diferença de espessura. A Sika forneceu 50 mil metros quadrados de impermeabilizante para a obra, mas não fala em valores. Um engenheiro civil que era ligado à obra diz que o metro quadrado da manta de 3 milímetros custa de R$ 130 a R$150, já implantada. A de 2 milímetros, R$ 100.

Agencia Estado,

23 Fevereiro 2007 | 08h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.