Faixas para motos: Comportamento no trânsito fica igual

As faixas para motocicletas inauguradas na segunda-feira no corredor formado pela Rua da Consolação e Avenidas Rebouças e Eusébio Matoso não foram aprovadas pela maioria dos internautas que responderam à enquete do Portal Estadão e não têm sido suficientes para estimular um comportamento cidadão entre motoristas e motociclistas, como o projeto, denominado Faixa Cidadã, pretende. Das 830 pessoas que responderam à pergunta "Você aprova as faixas preferenciais para motos?", 506, 60,96%, disseram não aprovar as faixas preferenciais para motos. Porém, das 783 pessoas questionadas se haviam presenciado discussões entre motociclistas e motoristas sobre o usa da faixa, 79,83%, 625, disseram que não. O número é ainda maior para a pergunta "Você presenciou algum acidente que considere relacionado à faixa preferencial para motos?". Das 779 pessoas que responderam, 665, ou 85,37%, disseram não ter presenciado nenhum acidente com essas características. De acordo com o administrador Rogério Abrão de Camargo, de 26 anos, que circula diariamente de moto, há cerca de três meses, pela Rua da Consolação e a Avenida Rebouças, no caminho entre a sua residência, no bairro de Belém, e o trabalho, em Pinheiros, nesses dois primeiros dias não foi possível notar nenhum tipo de alteração."Os carros continuam a circular sobre as faixas que deveriam ser exclusivas às motos e as motos continuam a passar pelo corredor entre as faixas dos carros". O administrador, que conversou sobre o assunto nesta manhã com um motorista de um veículo de passeio ao parar em um semáforo na Avenida Rebouças, disse que ambos chegaram à mesma conclusão. "É como se nada tivesse acontecido. A única diferença é que, agora, existem losangos verdes no meio da pista", disse Camargo. O administrador acredita que será muito difícil notar algum tipo de alteração caso não haja fiscalização e aplicação de multas para quem não obedecer a determinação. "Se não mexer no bolso do cidadão, nada será resolvido", conclui.Acidentes na estréia da faixaNo primeiro dia de funcionamento da Faixa Cidadã, na segunda-feira, os acidentes de sempre continuaram a acontecer. Foram registrados dois envolvendo motos em um dos corredores onde foi implantada a operação. Um dos feridos nos acidentes, ironicamente, foi uma das entregadoras dos 300 mil folhetos explicativos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) sobre a faixa especial.Na Avenida Rebouças, Joana Silva, de 21 anos, foi atropelada por um motociclista, por volta das 8 horas, próximo à Rua Oscar Freire. Ela e o motociclista, Manuel leite, tiveram ferimentos leves e foram levados ao Hospital das Clínicas e tiveram alta pouco tempo depois.No segundo acidente, às 12h20, o motoboy Wesley Pereira, de 34 anos, chocou-se na traseira de um carro, na altura da Rua Chabad, a poucos metros de onde ocorreu o atropelamento. Os dois estavam na faixa preferencial. Pereira também foi levado ao HC e liberado em seguida. O motorista do carro, que não quis se identificar, disse que não há como automóveis circularem por só uma faixa. ?É congestionamento na certa.?Ainda de acordo com a enquete, 157 internautas presenciaram alguma discussão entre motociclista e motorista sobre o uso da faixa preferencial enquanto 619, não, o que mostra a indiferença pela medida adotada pela CET. A enquete apurou ainda que 112 pessoas presenciaram os acidentes ocorridos na faixa presencial, enquanto 660 não viram nada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.