Falha eletrônica pode ter causado acidente com ônibus

Uma falha no sistema eletrônico pode ter causado o acidente com o ônibus biarticulado da Viação Campo Belo, que deixou uma pessoa morta e 60 feridas - uma em estado grave. Alguns passageiros disseram que o motorista Adilson Castro, de 37 anos, dirigia em alta velocidade. Segundo Castro, porém, a causa do acidente foi uma falha no sistema eletrônico do ônibus, que possui um computador de bordo. "Disparou um alerta no computador de bordo. O ônibus começou a acelerar. Eu puxei o freio de mão e enfiei o pé no freio, mas não foi suficiente." A Viação Campo Belo informou que o ônibus, fabricado em 2004, passou por uma inspeção da São Paulo Transportes (SPTrans) em 31 de maio e não foi registrado nenhum problema. O acidentePor volta das 8 horas, o ônibus que fazia a linha Terminal Capelinha-Largo São Francisco (6455/10) perdeu o controle na alça de acesso à Avenida Vereador José Diniz, sentido centro, rolou por um desnível de cerca de quatro metros e caiu na Rua da Prata, atingindo o muro de uma casa na esquina com a Rua Paratinga. A passageira Annexelle Marcial da Silva, de 26 anos, morreu no Hospital Regional Sul. Outras 60 pessoas ficaram feridas - uma em estado grave.Segundo alguns passageiros, o ônibus estaria superlotado na hora do acidente. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes informou que o veículo transportava 150 passageiros e sua capacidade é de 190. Uma placa dentro do ônibus indica, porém, uma lotação de 152 passageiros - 71 sentados e 81 em pé.O gerente da Viação Campo Belo, João Feitosa Saraiva, afirmou que a empresa vai arcar com todas as despesas com a reconstrução do muro da casa da aposentada Vilma Cardia, de 72 anos, destruído após a colisão. Segundo a família da passageira morta, a Campo Belo pagou o serviço funerário da vítima.CenárioO cenário era assustador quando chegaram os caminhões do Corpo de Bombeiros - foram 20 ao todo, além de 6 ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O ônibus se partiu em três. O compartimento de trás do ônibus foi o único que permaneceu na via. O do meio ficou virado de lado no meio da Rua da Prata e o da cabine foi parar no muro da casa de Vilma. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) só liberou a via depois de cinco horas, às 13h25. Apesar disso, não houve congestionamento nas ruas da região. Após a retirada das três partes do ônibus, que durou quase uma hora, ainda foi preciso cortar parte de uma árvore ao lado da mureta de proteção da alça. Ela acabou servindo de barreira e evitou uma queda ainda mais brusca do ônibus.A perícia deverá ficar pronta em cerca de 10 dias. O caso foi encaminhado para o 11º Distrito Policial, em Santo Amaro. Caso seja comprovada a imprudência do motorista, o delegado-assistente João Aparecido Costa disse que ele responderá por homicídio culposo, lesões corporais e dano a residência. Castro é motorista da Campo Belo há oito anos e trabalhava na linha 6455/10 há quatro meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.