Falha técnica no aeroporto de Brasília deve aumentar atrasos

Uma falha no sistema de comunicação na manhã desta terça-feira causou a suspensão de alguns vôos no Aeroporto Internacional de Brasília - Juscelino Kubitschek. Segundo o tenente coronel Fagundes, do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, a falha aconteceu por volta das dez horas e durou cerca de 15 minutos. Ainda não há informações sobre o que teria causado a falha de comunicação.O tenente coronel Fagundes, do Centro de Comunicação da Aeronáutica, afirmou que "o problema afetou os demais aeroportos, porque a Central atende toda a região do Cindacta-1". O Cindacta-1 abrange a maior área de tráfego aéreo do Brasil - São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília.Pelo menos dez vôos, entre partidas e chegadas, ficaram atrasados no aeroporto. Segundo a Aeronáutica, a situação começou a se normalizar por volta das 11h45, com um espaço entre os vôos de 20 minutos.O problema começou no sistema de rádios do centro de controle de vôos de Brasília, o Cindacta-1, que ficou fora do ar por volta das dez horas. Por volta das 11h, no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, os vôos estavam partindo com intervalos de 40 minutos.De acordo com o boletim da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os atrasos continuam a ser registrados nos aeroportos do País. Segundo o boletim, até às 10h30 desta terça-feira, dos 675 vôos programados, 128 tiveram atraso superior a uma hora - o que corresponde a 18,9% do total.De acordo com o boletim apurado pela Anac, mais uma vez o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, lidera a lista de atrasos: de 78 pousos e decolagens agendados, 21 tiveram atraso (26,9% do total). Na seqüência aparece o aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, onde, de 61 vôos, 12 (ou 19,6%) apresentaram atraso. O aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, também registra atraso expressivo - de 95 vôos, 11 tiveram atrasos, o que representa 11,5% do total. Esta matéria foi alterada às 13h25 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.