Falso cirurgião plástico é preso após 5ª morte

O falso cirurgião plástico Marcelo Caron, acusado pela morte de cinco mulheres, foi preso no final da tarde desta quinta-feira, após ter a prisão decretada pela presidente em exercício do Tribunal do Júri de Taguatinga, juíza Leila Coury. O médico poderá pegar até 30 anos de cadeia se for condenado. Caron declara-se inocente,apesar das cinco ?coincidências fatais?. Segundo ele, nenhum caso está ligado ao outro.A quinta vítima fatal da cirurgia de lipoaspiração feita por Caron é a estudante Graziela Murta de Oliveira, de 26 anos. Ela estava internada desde o dia 16 de janeiro na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Helena, em Brasília, e morreu nesta quinta-feira. Homicídio duplamente qualificadoA juíza atendeu a pedido do promotor de Justiça Criminal de Defesa dos Usuários de Serviços de Saúde (Pro-Vida), Diaulas Ribeiro, que denunciou o médico por homicídio duplamente qualificado e exercício ilegal da medicina. ?Ele não é cirurgião plástico?, afirmou Diaulas.Para justificar a prisão preventiva, Diaulas alegou que o médico goiano não tem residência fixa e nem parentes em Brasília. E ressalta que Caron não tem qualquer bem registrado oficialmente em seu nome. ?Nada garante que ele não irá fugir.?Para Diaulas, Caron é um novo Hosmany Ramos, um cirurgião plástico carioca que ?trocou o bisturi pelas armas de fogo? e está preso.FurtoAlém dos casos de imperícia médica, Caron responderia a processo por furto à casa de uma namorada em Bragança Paulista e envolvimento em desvio de recursos do Sistema Único de Saúde, em Campinas, conforme revelou o promotor.Diaulas diz que Caron é o primeiro a perder a carteira de médico temporariamente por determinação da Justiça Federal, antes mesmo do julgamento final pelo conselho de medicina.Ele espera que a cassação temporária seja adotada com mais freqüência em todo o País para casos semelhantes ao de Caron, já que os processos nos conselhos são demorados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.