Falso laranja mentiu à polícia por dinheiro no caso dossiê

O falso padeiro Luís Armando Silvestre Ramos, que na semana passada afirmou à Polícia Federal que entregou pessoalmente R$ 250 mil a Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha ao governo paulista de Aloizio Mercadante (PT), para a compra do dossiê Vedoin, deve se apresentar espontaneamente nesta quarta-feira à PF, informou seu advogado Rovilson de Carvalho Júnior ao Estado.No entanto, a promessa pode não ser cumprida, já que na terça-feira à noite Ramos foi detido pela PM, em Pouso Alegre, por não ter pago a pensão alimentícia à ex-mulher. Segundo Carvalho Júnior, o ´laranja´ confessou que toda a história foi inventada e que nunca sacou dinheiro para entregar ao PT nem nunca esteve no Hotel Ibis Congonhas, em São Paulo - o local onde dois petistas foram presos com R$ 1,75 milhão. Ramos afirmou, por intermédio de seu advogado, que foi procurado por uma pessoa - que ele não quis identificar - e que ela lhe disse que "nunca mais precisaria trabalhar se inventasse a história para prejudicar os petistas". Origem dos dólaresDepois da PF anunciar que já havia concluído o levantamento da origem dos US$ 248,8 mil apreendidos com os petistas Gedimar Passos e Valdebran Padilha, no dia 15 de setembro, a PF informou na terça-feira que só identificou a fonte de uma parte deste dinheiro, reportou nesta quarta o Estado.Segundo a polícia, US$ 109,8 mil teriam saído do caixa da Vicatur, casa de câmbio situada na Baixada Fluminense que lançou mão de uma família de laranjas para fazer chegar ao PT o dinheiro americano.A PF confirmou que pediu à Justiça autorização para realizar buscas em outras casas de câmbio. Não revelou onde ficam. Inicialmente, os federais explicaram que suas suspeitas recaem sobre essas outras instituições porque teriam sido usadas pela organização criminosa para fazer a conversão de dólares por reais - foi apreendido R$ 1,16 milhão com os petistas. Em dólares e reais, o total apreendido chegou a R$ 1,75 milhão.Na terça, no entanto, a PF informou que das outras casas de câmbio sob suspeita teriam saído os US$ 139 mil restantes. Ou seja, a quantia em dólares obtida pelos petistas não teria sido superior aos US$ 248,8 mil. Dessa forma, não haveria excedente em moeda americana que tivesse sido trocado para real.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.