Falsos médicos são presos em Tatuí

Dois falsos médicos foram presos em flagrante na noite de ontem quando atendiam pacientes no Hospital Avançado, em Tatuí, a 145 quilômetros de São Paulo. O hospital, com 60 leitos, foi lacrado pelo Serviço de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde do Estado. O proprietário do estabelecimento, Gilberto Paulo dos Santos, de 44 anos, também foi preso. A Polícia Civil recebeu denúncias de que o hospital tinha em seu corpo clínico pessoas que não eram médicas. Para checar a informação, dois policiais alegaram que estavam doentes e foram em busca de atendimento.A unidade recebia pacientes particulares e de convênios. O libanês Shauki Hussein Shuman, de 29 anos, recebeu voz de prisão quando prescrevia uma receita para uma policial disfarçada de paciente. Ele atendia como ginecologista e, ao ser preso, disse ter cursado medicina na Rússia. No entanto, não apresentou o diploma, nem estava inscrito no Conselho Regional de Medicina (CRM). A mesma estratégia foi usada para a prisão de Míriam de Lima Bressane, de 39 anos, que se apresentava como clínica geral. Ela confessou aos policiais que não era médica.Os dois faziam parte do corpo clínico do hospital há seis meses e foram autuados por exercício ilegal da medicina. Santos foi preso porque sabia das atividades dos falsos médicos. Ele é proprietário do hospital há quatro anos e, segundo a polícia, já responde a inquérito por estelionato em razão da compra do estabelecimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.