Falsos policiais roubam R$ 30 mil

''''Você está preso por lavagem de dinheiro.'''' Com essa frase, o empresário M.A.S. foi surpreendido, ontem à tarde, por três homens vestidos de policiais federais, num golpe que resultou em roubo e tentativa de seqüestro. O crime ocorreu em uma movimentada avenida da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A cena foi flagrada pela reportagem do Estado, que fotografou a abordagem ao empresário, dono de uma casa de câmbio e turismo. Ele resistiu com socos e tapas às investidas dos supostos agentes. Ao perceber a presença do fotógrafo, os bandidos deixaram M.A.S. e levaram cerca de R$ 30 mil, além de seu automóvel. Veja a galeria de fotos da açãoO diretor executivo da PF, Zulmar Pimentel, informou que não foi identificado entre os criminosos nenhum agente federal. Ele disse que não estava prevista operação oficial da PF na Barra ontem à tarde e afirmou que a polícia segue tentando identificar os homens. Segundo o empresário, o crime, ocorrido na Avenida Armando Lombardi, começou a ser tramado pela manhã, quando um funcionário da empresa recebeu o telefonema de um homem, que se identificou como Fernando,vendedor da concessionária Ago Veículos.O impostor disse que um cliente precisava trocar US$ 15 mil, para a compra de um Mercedes-Benz. O funcionário da casa de câmbio ligou para a concessionária e confirmou a existência de um vendedor chamado Fernando. Apressado, o rapaz não conversou com o suposto vendedor e passou a transação a M.A.S., que partiu para a concessionária com a quantia.O vendedor da Ago Fernando Luiz Cavalcante disse que não fechou nenhum negócio como esse. ''''Não chamei casa de câmbio.'''' Foi o que ouviu M.A.S. ao chegar à concessionária. ''''Ninguém sabia de venda nenhuma. Dirigi rapidamente até a firma, com medo'''', contou o empresário.Na Avenida Armando Lombardi, um Honda Civic preto com um giroscópio ligado no teto, emparelhou com o Chevrolet Tracker do empresário. ''''Eles disseram: ''''Pára, que é Polícia Federal'''' e mostraram distintivos e armas'''', relatou. Ao sair do carro, o empresário recebeu ''''voz de prisão'''' dos falsos policiais. ''''Eles disseram que eu estava sendo preso por lavagem de dinheiro. Achei estranho, pois sei que não estou sendo investigado. Reagi e eles disseram: ''''Quer morrer, meu irmão?'''''''', revelou. A partir desse momento, M.A.S. começou a lutar com os homens, e chegou a ter a mão direita algemada.O fotógrafo do Estado Fabio Motta pensou que se tratava de uma operação da PF. Ao perceberem sua presença, os criminosos largaram o empresário e fugiram. Um dos homens levou o carro dele com o dinheiro e boletos do Banco Central. M.A.S. deu queixa na delegacia da Barra da Tijuca. O automóvel dele e o Honda Civic foram localizados na Avenida General Guedes da Fontoura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.