Falta de controle abre brechas para contratações

A falta de um controle rigoroso de frequência dos funcionários do Congresso sempre abriu brecha para nomeações de amigos e parentes de parlamentares. Com a súmula antinepotismo do Supremo Tribunal Federal, em 2008, proibiu-se o emprego de familiares e os cargos de confiança passaram a ser ocupados cada vez mais por pessoas próximas de deputados e senadores.

, O Estado de S.Paulo

01 Abril 2011 | 00h00

Os parlamentares não abrem mão desses cargos de livre nomeação, apesar de terem um quadro de servidores de carreira à disposição. A possibilidade de empregarem assessores nos Estados é um espaço para que os funcionários virem cabos eleitorais regionais sem qualquer fiscalização. O ex-senador Efraim Morais (DEM-PB), por exemplo, foi acusado de nomear pelo menos 52 senadores em seu Estado, na Paraíba, a maioria fantasma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.