Falta de pagamento pode parar serviços em São Paulo

Empresas que prestam serviços para a Prefeitura de São Paulo ameaçam parar suas atividades por falta de pagamento. Desde o fim do ano passado, o governo tem atrasado o pagamento de fornecedores e empresas terceirizadas.Um dos setores afetados é o de limpeza e conservação de equipamentos. Segundo o presidente do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Estado de São Paulo, Gilberto Parra, alguns associados estão sem receber há mais de 90 dias.A situação mais crítica, segundo ele, é no setor da saúde. Parra afirmou que, caso a situação não esteja normalizada nos próximos dias, os serviços poderão ser suspensos. Na segunda-feira, o sindicato fará uma assembléia. "Chegamos a um ponto insustentável, pois temos de honrar compromissos com salários e fornecedores."A Prefeitura alega que os pagamentos estão atrasados por causa da implementação do Programa de Modernização de Arrecadação Tributária (PMAT), que vai alterar todo o sistema de execução do orçamento. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria das Finanças, a situação será normalizada nos próximos dias.O chefe de gabinete da Secretaria da Saúde, Paulo Carrara, reconheceu o problema e admitiu que alguns contratos podem estar atrasados mais de um mês. Ele procurou tranqüilizar as empresas. "Até o fim da semana queremos saldar grande parte dos pagamentos e, em um mês, normalizar a situação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.