Falta de policiamento na USP

Carta 19.008Minha filha foi assaltada dentro da USP, recentemente, às 8 horas da manhã, no ponto de ônibus próximo ao portão do Hospital Universitário. O bandido a derrubou com uma chave de pescoço e arrancou a sua bolsa. Havia várias pessoas no ponto, mas quem viu a cena nada fez, pois todos parecem estar habituados a essa violência sem solução. Agradeço à Guarda Universitária, pelo carinho, e ao 93.º DP, onde fizemos o BO, pelo atendimento. A segurança do câmpus não tem equipamento adequado para conter a violência no local, onde existe uma área de livre acesso por um pequeno portão do HU, perto da favela São Remo. Aliás, o local mais violento fica ao lado da prefeitura do câmpus. Com o recente aumento do número de PMs, poderiam por algumas viaturas circulando no local.BARBARA C. HELLEBREKERSMairiporã/SPA Polícia Militar responde:"A 5.ª Cia. do 16.º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano policia a USP, por meio de radiopatrulhamento e com apoio da Força Tática. O policiamento é planejado com base nos dados criminais fornecidos por Infocrim, Fotocrim e Copom on-line. No 1.º semestre deste ano, os policiais da região fizeram 48 prisões, recuperaram 158 carros roubados e apreenderam 6 armas de fogo em poder de marginais. A população pode contribuir para a melhoria do policiamento registrando um BO quando algo suceder, pois essa é a fonte do planejamento. Para denúncias: telefone 190, Disque PM (0800) 0555-190, Fale Conosco PM (www.polmil.sp.gov.br) ou Disque Denúncia 181."Carta 18.009Multa indevidaHá alguns dias fui a Itupeva, na região de Jundiaí. A estrada, em obras, é estreita e movimentada. Com a lentidão é impossível fazer ultrapassagens, mas um guarda rodoviário me parou, dizendo que eu fizera uma ultrapassagem indevida e seria multado. Tentei argumentar mas ele fez a multa, me deu as costas e parou outro carro. Não sei a quem reclamar, pois me alertaram que o guarda tem os dados do carro e poderá me multar à vontade se eu criar caso. EDUARDO SILVAOsasco/SPA Polícia Militar responde:"O Comando de Policiamento Rodoviário lamenta a insatisfação do leitor com seus procedimentos, ao mesmo tempo em que enfatiza seu caráter legalista. As ações dos PMs são norteadas pela lei, notadamente pelo Código de Trânsito Brasileiro, e por normas técnicas que priorizam a defesa da vida. Nesse sentido, lembramos que ultrapassar em local proibido é uma das principais causas de acidentes nas rodovias, em tragédias geralmente motivadas pela imprudência de motoristas que muitas vezes não conseguem entender o risco envolvido em determinadas atitudes, razão pela qual a infração deve ser reprimida com veemência, mesmo que o cidadão, por ignorar os motivos, discorde de certas ações. Devido à não concordância com a autuação, o interessado pode apresentar defesa (recurso) até a data apontada no verso da notificação, encaminhando-a ao Depto. de Estradas de Rodagem (DER/SP) pelo correio ou protocolando-a na Divisão Regional mais próxima de sua casa ou na sede na Avenida do Estado, 777, Ponte Pequena. Os documentos mínimos (legíveis) para a defesa são: requerimento preenchido, datado e assinado com todas as informações pedidas (modelo I); cópia da CNH ou permissão para dirigir; cópia do RG, se a CNH não for reconhecida como documento de identidade (pessoa física); cópia simplificada do cartão do CNPJ (pessoa jurídica); cópia do CRV (certificado de registro do veículo) ou CRLV (registro e licenciamento do veículo); cópia da notificação da autuação (obrigatório frente e verso), ou original do auto de infração (via amarela ou branca), e procuração específica para a penalidade, com firma reconhecida em cartório, se o interessado é representado por terceiros. Os documentos facultativos são os que o requerente entender que é importante trazer para melhor análise das alegações do requerimento. Endereço postal: Dep. de Estradas de Rodagem - Gestão de Multas/Recurso Administrativo - CP 12.051-0/São Paulo-SP - CEP 02013-970. O resultado será comunicado ao proprietário do veículo." Escrevi à coluna para reclamar do procedimento do Banco do Brasil de Piracicaba com uma amiga, e logo depois o caso foi resolvido. Agradeço à coluna por tudo o que faz por aqueles que a procuram. É por causa desse trabalho que ainda temos esperança de que um dia o País seja melhor para todos e de que nossos direitos de cidadão serão respeitados.ANTÔNIO FRANCISCO PERRONI Piracicaba/SP

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.