Falta de sinalização causou acidente no metrô de BH

Um acidente envolvendo duas composições do metrô de Belo Horizonte deixou nesta quinta-feira 74 pessoas feridas, sendo quatro em estado grave. Os vagões colidiram por volta das 8h40, em frente àplataforma de embarque e desembarque da estação 1º de maio, região norte da capital mineira.Segundo o Corpo de Bombeiros, aproximadamente 300 pessoas estavam em um dos trens e 60 em outro. A maioria dos passageiros sofreu ferimentos leves e escoriações. Eles foram atendidos no Pronto-Socorro de Venda Nova, Hospital Odilon Behrens e Hospital João XXIII, todos na capital mineira.O caso considerado mais grave é o do maquinista de uma das composições, identificado como Jackson Pereira, de 20 anos. Ele conseguiu saltar do trem momentos antes da colisão, mas sofreu traumatismo craniano e fraturas múltiplas no rosto. Segundo informações do Hospital João XXIII, até o final da tarde desta quinta, o maquinista não corria risco de vida.De acordo com testemunhas, o outro condutor também saltou do trem por uma janela. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), empresa responsável pela gerência e operação do metrô, informou que a velocidade de um dos trens no momento do acidente era de 40 quilômetros por hora. A composição estava em processo defrenagem para embarque e desembarque de passageiros e o outro trem já estavaparado, o que evitou uma tragédia.O superintendente da CBTU em Belo Horizonte, José Francisco Lemos, disse que os primeiros depoimentos e sindicâncias, levam a crer que houve ?falha humana?. Um dos maquinistas teria entrado na linha sem autorização ou o funcionário do controle de tráfego não teria informado o condutor de que um trem estava na estação.O Sindicato dos Metroviários, contudo, disse que já havia alertado que a falta de sinalização eletrônica no trecho poderia provocar acidentes.Lemos afirmou que a sinalização eletrônica no trecho do acidente deverá estarconcluída entre outubro e dezembro deste ano.A empresa anunciou que instalou uma comissão de inquérito para apurar as causas e responsabilidades do acidente. Um relatório conclusivo deverá ser emitido em15 dias. O Instituto de Criminalística realizou uma perícia no local.Segundo a CBTU, esta foi a primeira colisão entre trens de passageiros ocorridadurante a circulação comercial do metrô, em 16 anos de operação. O trecho entre asestações São Gabriel-Vilarinho permaneceu interrompida durante toda esta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.