Falta dinheiro para polícia do Rio, diz Cesar Maia

O prefeito do Rio, Cesar Maia, disse que o policiamento na cidade é insuficiente e que o Estado vive um momento de constrangimento de ordem financeira. "Isso restringe a mobilidade da polícia. O policiamento em si não é deficiente, mas o problema é que falta efetivo." O prefeito considerou a ação a um ônibus queimado agora de manhã, em Botafogo, zona Sul, como "bárbara". De acordo com a polícia, duas pessoas ficaram feridas.Carta do Comando VermelhoUma carta assinada pela facção criminosa Comando Vermelho (CV) foi encontrada durante a manifestação que resultou na queima de três ônibus e quatro carros na Rua Leopoldo Bulhões, em Benfica, na zona Norte. O delegado Walter Alves de Oliveira, da 21ª DP (Bonsucesso), disse que, pelo texto, o protesto seria "contra a injustiça social". Ele não quis arriscar que o bilhete significaria que a ações na cidade foram orquestradas pelo Comando Vermelho. "Pode ter sido um ato isolado ou em conjunto, mas é cedo para dizer. A carta pode ter sido um blefe", disse Oliveira. O texto foi encaminhado para a Delegacia de Repressão a Entorpecentes. A área onde os ônibus foram queimados é cercada por três favelas.PM "de prontidão"Por causa do clima de insegurança em vários pontos da cidade, o major Frederico Caldas, Relações Públicas da Polícia Militar, informou que o efetivo da PM está "de prontidão", reforçando o policiamento nas áreas consideradas de risco, como o Complexo de Favelas do Alemão e as Linhas Vermelha e Amarela, principais vias expressas da cidade, que são cercadas por favelas. O Departarmento do Sistema Penitenciário (Desipe) disse que no Complexo Penitenciário de Bangu, zona Oeste, o número de policiais cercando a área é o mesmo desde a semana passada, em função do esquema de policiamento para o carnaval que começou na quinta-feira, dia 20.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.