Faltam ajustes na ciclofaixa

Ciclistas aprovaram com ressalvas pista que liga três parques em SP

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

31 Agosto 2009 | 00h00

A ciclofaixa de lazer, implementada ontem em vias movimentadas da zona sul de São Paulo, foi aprovada com ressalvas pelos paulistanos que testaram pela manhã - entre 7h e 12h - o percurso de 5 quilômetros. O sol ajudou e centenas de ciclistas de todas idades circularam pelo trajeto que interliga os Parques do Povo, do Ibirapuera e das Bicicletas. Apesar de críticas à pouca sinalização e da falta de orientação nos desvios feitos pelas calçadas, usuários foram quase unânimes em defender que a iniciativa se espalhe para outros pontos da capital.O trajeto da ciclofaixa passa por avenidas como Juscelino Kubitschek, República do Líbano e Faria Lima. A reportagem testou o percurso de bicicleta por duas vezes. O principal problema é entrar no desvio que leva ao Parque do Povo, no cruzamento da Rua Inhambu com a República do Líbano. Entre os Parques das Bicicletas e Ibirapuera, o trajeto de cerca de 900 metros tem linha única e é feito sem dificuldades. Mas para entrar no circuito que leva à Faria Lima não existia sinalização. CALÇADAOs monitores também não sabiam informar com precisão como era feito o desvio - pela calçada, em cruzamento com três semáforos. "É a terceira vez que faço o trajeto e não sei chegar ao Parque do Povo", reclamava a dentista Marina Zilberstein, de 29 anos, que levou a filha de 6. "É difícil fazer o desvio com criança de bicicleta."Ao todo, são nove pontos no trajeto que exigem a travessia da faixa de pedestres pela calçada. Ontem, monitores ficavam nos cruzamentos semaforizados com faixas de "pare" esticadas a todo momento que o sinal ficava vermelho. O principal problema de ontem foi a mistura de grupos de ciclistas que costumam treinar em ritmo de velocidade bem maior que as famílias, que fazem um passeio recreativo."Está tudo muito lindo, parece um sonho andar de bicicleta pela Faria Lima, num domingo de sol. O problema são os atletas. Eles acham que podem ficar apostando corrida", reclamou o arquiteto Manuel Puga, de 36 anos, morador do Tucuruvi, na zona norte. "Fiz questão de atravessar a cidade para ver como seria a ciclofaixa. Só acho que tinha de abrir aos sábados e ficar até um pouco mais tarde aos domingos. Espero que outros parques tenham o mesmo projeto."A iniciativa do governo integra um projeto de expansão das pistas para bicicletas na capital. Segundo a PM, cerca de 10 mil pessoas usaram ontem a ciclofaixa. "Nunca vi nada mais inteligente, depois de tantos anos com obras só para carros", elogiou a pediatra Rosana Merchy, de 42 anos.AJUSTESDiversos secretários da gestão Gilberto Kassab (DEM), o próprio prefeito e vereadores foram ao evento e andaram de bicicleta pela ciclofaixa. "Precisamos agora fazer algumas correções. Mas é uma ciclofaixa para a família. Para os esportistas, estudamos a recuperação do velódromo. Aqui é um espaço para os pais passearem com os filhos, de lazer mesmo", argumentou o Secretário Municipal de Esportes, Walter Feldmann. "Temos de repensar o modelo de cruzamento na esquina da Faria Lima com a Juscelino Kubitschek. O importante é que o projeto era um sonho que já é realidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.