Família acerta acordo com Naya por 80% do valor devido

Quase quatro anos depois do desabamento do Palace 2, uma família que morava do prédio se mostrou favorável nesta terça-feira à proposta do ex-deputado Sérgio Naya, dono da construtora Sersan, de pagar 80% do valor correspondente ao imóvel.Outras dez pessoas já fizeram acordo com Naya, mas, segundo o advogado da associação das vítimas, Eduardo Lutz, ninguém recebeu o dinheiro ainda. ?Não faz sentido entrar num acordo, porque ele não paga mesmo. Vive dizendo que está sem dinheiro?, ironizou Lutz.A associação é contra as propostas de Naya. A maior parte dos moradores defende o cumprimento dos 82 acórdãos firmados pela Justiça, que garantem o pagamento de indenizações entre R$ 300 mil e R$ 500 mil por família, enquanto Naya pede o desbloqueio de seus bens, avaliados em mais de R$ 100 milhões e confiscados judicialmente, para pagar as vítimas.O valor do acordo aceito ontem ainda será calculado pela 4ª Vara de Falências e Concordatas, mas Eduardo Lutz estima que foi de cerca de R$ 200 mil. ?Em geral, os advogados de Naya têm oferecido 20% a menos do que as famílias têm direito?, informou Lutz, que defende 90 famílias que viviam no Palace.O advogado da família que aceitou a proposta, Jader Pedrosa do Nascimento, disse que o pagamento inclui indenizações por danos morais e materiais. ?Se continuássemos insistindo, não se saberia qual o tempo que isso iria levar, então entendemos que 80% é razoável?, disse.A presidente da associação de vítimas, Rauliete Barbosa, está organizando um protesto em frente ao Tribunal de Justiça para o dia 22 de fevereiro, quando se completam quatro anos do desabamento do Palace 2.O objetivo é reivindicar uma ação mais rápida em favor dos ex-moradores. ?Vamos levar um bolo de aniversário de quatro metros, para mostrar que o tempo está passando e nada foi feito.?O prédio desabou em fevereiro de 1998, matando oito pessoas e deixando mais de cem desabrigados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.