Google Maps
Google Maps

Família brasileira está apreensiva com prisão de filha nos Estados Unidos

Jovem foi detida na fronteira com o México após voltar de uma viagem de fim de semana ao país vizinho; família tenta reverter pedido de deportação marcado para terça-feira

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2018 | 18h30

SÃO PAULO – A brasileira Roberta Guimarães Antunes, de 35 anos, foi detida na fronteira do México com os Estados Unidos no dia 27 de novembro do ano passado. Há dois anos, a jovem mora e estuda no país norte-americano. Porém, uma viagem de fim de semana para o país vizinho se tornou um pesadelo para ela e a família.

“Ela estava com o namorado. Ele é americano e já morou e trabalhou no México. Ainda tem amigos lá. Era feriado de Thanksgiving (Ação de Graças) e, como de costume, decidiram ir para Ensenada, uma cidade que fica no noroeste do México”, relatou Caroline, irmã de Roberta que mora com ela em San Diego, há um ano.

Caroline ressalta que também já foi ao México e é um procedimento comum levarem estudantes para uma sala para conferir os documentos. “Isso normalmente acontece. Mas o namorado da Roberta, que ficou apreensivo, está me ajudando com advogados. Ele disse que ela aguardou mais de quatro horas na sala. Um desrespeito já que todos os documentos estavam em ordem. Dias depois, ela foi transferida para o Arizona e agora está em Washington State”, ressaltou a irmã.

Roberta está no Northwest Detention Center, uma prisão de imigração localizada na região de Tacoma, em Washington. A jovem tinha visto de estudante válido por quatro anos, porém, o documento foi cancelado pelo Consulado dos Estados Unidos em São Paulo, no dia 28 de novembro, um dia após a detenção.

A família ainda tem esperança de reverter a decisão de deportação marcada a próxima terça-feira, 16. A brasileira foi obrigada a assinar documento garantindo que durante cinco anos não pedirá visto para voltar aos Estados Unidos. “Ela foi forçada a assinar. E ainda tiraram o direito dela de ir a corte e falar com um juiz”, destacou a irmã.

 “Nós moramos juntas. A Roberta estuda na San Diego University for Integrative Studies. Está tudo em ordem. Ela está passando por momentos horríveis. E nenhum oficial fala o motivo da prisão. Eu converso com ela regularmente, mas não queríamos que isso estivesse acontecendo”, desabafou Caroline.

A advogada norte-americana, Shannon Englert, que acompanha o processo, também afirma que os direitos da brasileira foram gravemente violados.

De longe, os pais de Roberta, que moram no Brasil, estão angustiados.

“A advogada afirma que nada há nos autos que justifique a prisão, nem, tampouco, a deportação. Minha esposa está a beira de um colapso emocional. Como ela estava com a documentação em ordem não conseguimos entender o motivo da detenção. O cancelamento do visto também é um mistério”, declarou Washington Antunes, pai de Roberta.

Ele acrescenta que foi ao Itamaraty em São Paulo, localizado na Rua Estados Unidos, nos Jardins, mas não conseguiu obter informações.

Procurado, o Itamaraty disse que está acompanhando o caso e mantém contato com a família, mas não pode se pronunciar por sigilo da investigação.

A reportagem também aguarda o retorno do Consulado dos Estados Unidos em São Paulo sobre o caso da brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.