Família dá volta ao mundo em caminhão

Em 20 anos de estrada, o casal de portugueses Mica Costa-Grande, de 44 anos, e Sofia Salgado, de 40, calculam que já percorreram cerca de 300 mil quilômetros, em viagens sempre por terra e às vezes por mar. Começaram bem jovens, ainda estudantes de arte. O plano era ir à Índia, mas chegaram à China. No momento, a família - eles têm dois filhos, Eloi, de 11 anos, e Sáskia, de 9 - dá a volta ao mundo, projeto iniciado em 2004 e a que deram o nome de Rito de Passagem. Os quatro viajam em um caminhão militar adaptado, com sala, dois quartos, cozinha com geladeira, fogão, lavadora de pratos, microondas e até um forno. Banheiro com pia, vaso, chuveiro e máquina de lavar roupas. O freezer fica embutido no sofá. O projeto de volta ao mundo começou em 2000, já com os filhos a bordo. Eloi tinha 6 anos e Sáskia 4. Levaram quase três anos reformando o caminhão e preparando a viagem. No Natal de 2004 partiram para as Américas. "Percorremos toda a estrada que havia do ponto mais ao norte do Canadá, na região de Quebec, até a mais ao sul, em Ushuaia, na Terra do Fogo argentina. A viagem durou 365 dias até o Natal seguinte", conta Sofia. Em São Paulo, chegaram há duas semanas, via Foz do Iguaçu. Agora planejam colocar as crianças na escola e ficar dois ou três anos em Parati preparando a próxima etapa, do Amazonas à Muralha da China passando pelo Alasca, Estreito de Bering e Sibéria. Querem fazer um novo veículo, mais sofisticado, "o melhor do planeta", com apoio da indústria brasileira, e um documentário com o material que têm arquivado. Cerca de 20% da viagem é paga com patrocínio; o restante sai do bolso, da venda da casa que tinham. Gastam pouco, só com combustível e comida, que fazem em casa. A cada ano e meio, Mica, Sofia, Eloi e Sáskia moram em uma casa normal. Agora mesmo é tempo de parar. Gostam disso, mas depois de seis meses já querem estrada de novo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.