Família de aeromoça do voo 447 move ação contra Air France

Esta é a 2ª família entrar com ação contra a Air France; na quinta, buscas pelas caixas-pretas foram suspensas

REUTERS

21 Agosto 2009 | 13h50

A família de uma comissária de bordo que morreu no acidente do voo da Air France que caiu no oceano Atlântico durante a rota Rio-Paris entrou com ação judicial contra a companhia aérea, informou seu advogado nesta sexta-feira, 21. Clara Amado, de 31 anos, era uma das 228 ocupantes do voo 447 que caiu após decolar do Rio no dia 31 de maio. Foi o pior acidente na história da companhia aérea francesa.

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

link Busca por caixa-preta vai durar mais 20 dias

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo 

O advogado contratado pelos parentes de Amado disse que a família é a segunda a entrar com ação legal contra a Air France. Ele afirmou que busca fazer com que a empresa seja submetida a investigação formal antes de 24 de setembro, quando a Air France e as famílias das vítimas vão reunir-se pela quarta-vez desde o acidente. Caberá à promotoria decidir se abre processo.

"Nós queremos respostas a nossas perguntas, queremos saber as causas exatas do acidente e queremos que as pessoas assumam suas responsabilidades", disse Jean-Claude Guidicelli, o advogado que representa o pai e irmão de Amado.

Os investigadores que tentam descobrir as causas do acidente disseram que defeitos nos sensores que medem a velocidade do avião podem ter sido um dos motivos, mas é improvável que tenham sido o único.

A Air France afirmou em 31 de julho que planejava substituir os sensores de velocidade de seus aviões A330 e A340.

Submarinos franceses interromperam suas buscas pelas caixas-pretas de voo sem conseguir localizar essas peças do A330, informou na quinta-feira a agência do governo responsável pela investigação.

Uma investigação judicial sobre homicídio involuntário também foi aberta.

Uma porta-voz da companhia aérea não quis comentar a ação da família de Amado, mas disse que a Air France respeita sua dor e compartilha de sua tristeza. "Nós queremos compreender as causas do acidente", disse ela.

(Por Pierre Thebault; reportagem adicional de James Regan)

Mais conteúdo sobre:
voo 447 Airbus Air France

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.