Família de brasileiro preso no Líbano comemora libertação

Mohamad Omais informou que volta ao Brasil no dia 28; médico permaneceu preso por sete dias

Nelson Francisco, de O Estado de S. Paulo,

22 de fevereiro de 2008 | 17h45

Familiares e amigos do médico cuiabano Mohamad Kassen Omais, de 45 anos, preso em Beirute, Líbano, dia 16, comemoraram nesta sexta-feira, 22, sua libertação naquele país. Para a família, que ainda não decidiu se irá processar o governo libanês por danos morais, houve um erro grosseiro da polícia libanesa. Durante uma semana, a família viveu o drama da prisão do médico por suspeita de terrorismo ou falsificação de passaporte. "Estamos mais tranqüilos e ficamos realmente emocionados pelo Mohamad, pela estima que a gente tem por ele", contou o irmão, Ali Omais. Por telefone, Mohamad informou à família em Cuiabá que volta ao Brasil no próximo dia 28, e que tão cedo não pretende retornar ao Líbano, embora seus pais continuem morando lá. Segundo ele, não houve pagamento de fiança e sim um custo pelo serviço burocrático - o valor não foi revelado. Passada a angústia, familiares e amigos preparam uma recepção "calorosa" para Mohamad. O médico, a mulher, Gisele do Couto, e os três filhos, de 6, 11 e 13 anos, estão na casa dos pais dele, na cidade de Qaraaoun, no Vale do Bekaa. "Houve muita negligência, muita falta de respeito. Os lugares por onde eu passei eram fechados, não tinha sol, nem banheiros, água", disse o médico à TV Globo. Pediatra especializado em pneumologia, Mohamad atende na Clínica Femina, e é professor da Universidade de Cuiabá (Unic), desde 2001. Ele se formou em Manaus e fez especialização em Campo Grande (MS) e São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
diplomaciaLíbanomédico brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.