Família de ciclista vai cobrar mais R$ 500 mil de Thor Batista

Depois de pagar R$ 1 milhão, filho de Eike Batista pode ser multado por revelar acordo

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

16 Maio 2013 | 20h02

RIO - A família de Wanderson Pereira dos Santos, atropelado e morto por Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, em 17 de março de 2012, vai processar Thor por ter contado, em depoimento à Justiça, que pagou R$ 615 mil aos parentes de Wanderson. Mesmo alegando não ter culpa pelo atropelamento, Thor fez um acordo com a família do ajudante de caminhoneiro. Ofereceu R$ 315 mil à mulher de Wanderson, Cristina, R$ 315 mil à tia que criou o rapaz, Vicentina,e R$ 100 mil a um amigo da família que auxiliou financeira e emocionalmente Cristina e Vicentina nos dias seguintes ao atropelamento.

 

O advogado que representou a família na negociação recebeu R$ 270 mil. Ao firmar o acordo, em 22 de março de 2012, os envolvidos se comprometeram a não divulgar valores, sob pena de ter de pagar R$ 500 mil à parte contrária. O dinheiro foi pago um mês depois. Segundo o advogado da família de Wanderson, Cleber Rumbelsperger, durante o depoimento à Justiça, em abril passado, Thor contou sobre o acordo e não pediu que fosse decretado segredo de Justiça. “Se os advogados de Thor tivessem pedido (segredo), mesmo se o juiz não decretasse, eles teriam cumprido a parte deles. Mas não pediram, então Thor rompeu a cláusula que dá direito à multa.”

 

Na última quarta-feira (15), o Ministério Público divulgou o acordo e desde então, segundo o advogado, Cristina e Vicentina passaram a ser abordadas por familiares e vizinhos que pedem dinheiro e acusam ambas de não terem prestado auxílio financeiro, mesmo dispondo do dinheiro pago por Thor. “A tia de Wanderson teve até que sair de casa para evitar o assédio”, conta Cléber.

 

Ele afirma ter feito contato, ontem, com um advogado de Thor e ouvido dele que a atitude de Thor não caracterizou quebra da cláusula. “Na próxima segunda-feira vou notificar Thor para que pague os R$ 500 mil por quebra da cláusula e propor uma ação pedindo indenização por danos morais a Cristina e Vicentina. Vou me reunir com elas amanhã (sexta-feira) para relatar todos os incômodos que tiveram desde que o acordo foi divulgado e decidir quanto vamos pedir como indenização.”

 

O advogado de Thor, Celso Villardi, afirmou ontem que seu cliente não divulgou o acordo e que multa e indenização são descabidas.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Thor Batista Ciclista atropelado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.