Família de ex-marido de Vilma vai processar a empresária

Mais uma família que se julga lesada por Vilma Martins Borges decidiu processá-la. A primeira família do fiscal de renda aposentado Osvaldo Martins Borges, que viveu os últimos 20 anos de sua vida ao lado de Vilma e morreu em outubro, decidiu abrir quatro ações na Justiça contra a empresária.Um dos processos visa impedir Vilma de receber metade da pensão vitalícia deixada por Osvaldo, no valor de R$ 6 mil, aprovada há um mês pelo Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado de Goiás (Ipasgo). A parte que cabe a Vilma é de R$ 3.077,08. A outra metade foi concedida à ex-mulher do fiscal, Cleonísia Amélia de Oliveira.A família de Osvaldo quer que o valor total da pensão seja depositado em juízo até que o mérito da ação seja julgado. ?Isso é um absurdo, vai contra todos os direitos da mulher estabelecidos pela Constituição?, disse nesta sexta-feira ao Estado o advogado de Vilma, Max Lânio Leão. ?A família de Osvaldo está aproveitando que hoje, graças à imprensa, qualquer coisa que jogarem na Vilma pega.?Além do pedido de revogação da pensão de Vilma, a família do fiscal quer que os filhos de Vilma que foram comprovadamente seqüestrados ? Roberta Jamilly Martins (na verdade, Aparecida Fernanda Ribeiro da Silva), de 23 anos, e Osvaldo Martins Borges Júnior (Pedro Rosalino Braule Pinto), de 17 ? sejam retirados da relação de herdeiros de Osvaldo.Outras duas ações que serão movidas contra Vilma são para indenização por danos morais - pelo fato de a empresária ter atribuído a Osvaldo a autoria do seqüestro de Pedrinho ? e para anulação de vendas de bens do fiscal negociadas por Vilma.A empresária é alvo ainda de processo de negação de paternidade, movido pelo empresário Jamal Rassi, que durante 24 anos foi apontado por Vilma como o pai biológico de Roberta Jamilly.Vilma teria invadido a casa da família de Rassi várias vezes, acompanhada da Roberta, afirmando que a menina era filha do empresário e exigindo dinheiro. A família de Rassi decidiu pedir indenização por danos morais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.