Família de jovem desaparecido na Nova Zelândia diz que ele pode estar vivo

Jovem de 17 anos está no país desde o início do ano e caiu no mar quando praticava escalada

Lauriberto Braga,

09 Agosto 2012 | 12h17

Fortaleza  - O pai do estudante cearense João Felipe Martins de Melo, desaparecido no mar da Nova Zelândia, o economista Célio Fernando Bezerra de Melo, mantém esperanças de que o filho seja encontrado vivo. A polícia da Nova Zelândia diz não haver esperanças.

Segundo Célio, Felipe Melo fazia intercâmbio no Colégio Spotswood, na cidade de New Plymouth, na Nova Zelândia, há oito meses. Felipe Melo, de 17 anos, estava praticando escalada com outros estudantes quando caiu no mar de um penhasco no Parque de Paritutu com outros dois adolescentes, na  nesta quarta-feira, 8.

Segundo informações colhidas pela família de Felipe Melo, o instrutor que acompanhava o grupo de estudantes ainda tentou salvá-los, mas só conseguiu resgatar um dos três alunos. "Ainda não temos informação sobre o paradeiro de Felipe Melo nem do outro estudante neozelandês", disse nesta quinta-feira, 9, Célio Melo. Ele está em constante contato com a Embaixada do Brasil na Nova Zelândia.

A informação que Célio Melo tem é a de que as autoridades neozelandesas aumentaram as equipes de buscas e que não há indício de que os estudantes tenham batido nas pedras durante a queda. Isso faz com que a família de Felipe Melo mantenha as esperanças dele ser resgatado com vida. "Ele pode estar em alto-mar vivo", cogita Célio Melo, com lágrimas nos olhos.

Célio Melo disse que o filho está na Nova Zelândia desde o início de 2012, quando conseguiu aprovação para um curso de nível superior. Um tio de Felipe Melo embarcou para Nova Zelândia para acompanhar as buscas.

Mais conteúdo sobre:
Nova Zelândia brasileiro desaparecido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.