Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

Família do brasileiro perdido no Malauí está mais otimista

Esperança cresceu depois que uma equipe canadense especialista em resgates chegou ao local

Talita Figueiredo, O Estado de S. Paulo

29 Julho 2009 | 19h54

A família do economista franco-brasileiro Gabriel Buchmann, de 28 anos, que está desaparecido no Monte Mulanje, no Malaui, há 13 dias, avalia que aumentou a possibilidade de encontrá-lo com vida. A esperança dos Buchmann cresceu depois de uma equipe de sete voluntários canadenses especialistas em resgate chegar ao Malaui e fazer uma análise das buscas em curso.

 

"Os canadenses avaliaram que as buscas realizadas no pico foram muito bem feitas e concluíram que ele deve ter descido para a floresta que fica no vale e se perdido na mata. Eles farão as novas buscas por ali", afirmou Melina Patrício, amiga da família Buchmann.

 

Agora, segundo ela, será necessário pagar um helicóptero para auxiliar o trabalho dos canadenses. "Eles nos disseram que o uso do helicóptero feito pela outra equipe de buscas não foi muito bom, já que deixaram de percorrer áreas que poderiam ser importantes", contou Melina. Esse trabalho deverá ser feito hoje.

 

Os canadenses integram o American Rescue Team International (Arti), equipe de resgate que atua em várias partes do mundo, inclusive na queda das Torres Gêmeas no atentado de 11 de setembro de 2001. Amigos e parentes de Buchmann se cotizaram e pagaram US$ 25 mil pela passagem e alimentação dos voluntários. Foi criado um blog (ajudegabrielbuchmann.blogspot.com) para arrecadar recursos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.