PRF/Divulgação
PRF/Divulgação

Família morta em acidente é sepultada e menino deixa o hospital

Polícia apura participação de outro carro na tragédia que vitimou três pessoas de Campinas em rodovia do Triângulo Mineiro

Rene Moreira, especial para O Estado

10 Outubro 2018 | 11h33

Franca - Muita emoção marcou o sepultamento da família morta em um acidente quando voltava de Rio Quente (GO) para Campinas (SP). Os corpos das vítimas foram velados a partir da madrugada desta quarta-feira, 10, e o enterro realizado de manhã no Cemitério Parque das Flores, em Campinas. Antes disso, na noite desta terça-feira, 9, um culto na Igreja Batista Vista Alegre homenageou as vítimas.

Morreram no acidente Alessandro Monare, de 37 anos, que era pastor da igreja, sua mulher Belkis da Silva, 35, e o filho Samuel da Silva Miguel Monare, 8. No acidente sobreviveu apenas Benjamin da Silva Miguel, de 6 anos, o outro filho do casal, que deixou o hospital na noite desta terça-feira.

A Polícia Civil de Araguari (MG) investiga as causas do desastre e se houve a participação de outro carro. A família voltava de Goiás em um Honda Fit que foi parar dentro de uma vala na Rodovia BR-050, entre os municípios de Araguari e Uberlândia (MG). 

O acidente ocorreu na manhã de domingo, 7, mas o veículo foi localizado somente na terça, 9, após o filho caçula conseguir chegar ao acostamento da pista.

O resto da família foi achado sem vida dentro do carro e uma marca de pneu na porta indica que o veículo pode ter sido atingido por outro antes de cair no buraco. Uma testemunha que passava pelo trecho também garante ter visto uma colisão no local. 

O menino que sobreviveu foi levado por parentes para Campinas após deixar o hospital em Uberlândia. Ele não teve fraturas, apenas alguns hematomas, e poderá ajudar a elucidar o caso, mas ainda não foi ouvido pelos policiais. 

Ele também não esteve presente no velório e enterro da família. Parentes contaram que a criança ainda está um pouco confusa e não se lembra do acidente, apenas do passeio em Goiás e do momento que saía do buraco. 

A viagem tinha sido um presente do marido para a mulher que havia feito aniversário.

Apuração

A Polícia Civil evita dar detalhes da investigação. A rodovia conta com câmeras cujas imagens estão sendo analisadas para ajudar a elucidar o desastre. Além de um guincho, uma retroescavadeira teve de ser usada para retirar o carro da cratera.

O local onde ocorreu o acidente é um trecho em linha reta e não chovia naquele momento. O carro teria capotado antes de cair na vala. Policiais acreditam que a cadeirinha pode ter ajudado na sobrevivência do filho caçula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.