Família sofre ataque de abelhas

Um casal e dois filhos pequenos tiveram de ser atendidos no pronto socorro depois de sofrerem um ataque de abelhas domingo à noite, em Limeira. A colmeia estava alojada dentro de um muro na casa da família. Apesar do susto, as vítimas foram liberadas depois de medicadas. O ataque aconteceu enquanto um pedreiro trabalhava na casa da família. Quando bateu com uma ferramenta no muro, as abelhas deixaram a colmeia e passaram a atacar. O dono da casa, sua mulher e os dois filhos do casal, uma menina de sete anos e um garoto de um ano, sofreram dezenas de picadas. O Corpo de Bombeiros usou lança-chamas e inseticida para tentar exterminar os insetos.O ataque levou pânico ao bairro. Os alunos de uma escola localizada na mesma rua tiveram de esperar uma hora a mais para deixar o local. O proprietário de uma padaria também fechou o estabelecimento mais cedo para evitar que os fregueses fossem atacados. O Corpo de Bombeiros pretendia continuar a operação para exterminar as abelhas. Este é o segundo ataque em Limeira em menos de cinco meses. Em 19 de outubro, cerca de cem pessoas foram picadas quando passavam pela Praça Toledo Ramos, no centro da cidade. A colmeia, que estava no interior de uma gruta, ocupava três metros quadrados e abrigava cerca de 300 mil abelhas africanas, segundo o técnico Vitor Celso da Silva, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, que coordenou a retirada dos insetos do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.