Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Família venezuelana é explorada no Brasil

Casal foi obrigado a trabalhar por comida e moradia; vinda de refugiados preocupa

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2018 | 03h00

SÃO PAULO - Não foram poucas as dificuldades que a venezuelana Stefany Maestre, de 26 anos, enfrentou ao longo do último ano: teve o comércio fechado pelo governo, passou fome ao dar aos três filhos, de 4, 8 e 10 anos, os únicos alimentos que tinha em casa, perdeu 12 quilos e teve de pedir carona por mais de mil quilômetros para fugir da situação de extrema pobreza em seu país.

Quando finalmente conseguiu cruzar a fronteira e chegar à Boa Vista, em Roraima, achou que as coisas não tinham como piorar. O que não imaginava é que viveria uma situação similar à escravidão justamente na maior e mais rica cidade brasileira.

Sem encontrar emprego em Roraima, Stefany, o marido e as três crianças receberam uma proposta para vir a São Paulo, onde os dois adultos trabalhariam em uma oficina de costura na zona leste da cidade. Foram contratados por um boliviano que se ofereceu para arcar com os custos da passagem de avião entre Boa Vista e a capital paulista. O empregador prometeu pagar R$ 900 mensais a Stefany e R$ 700 ao marido por 12 horas diárias de trabalho, “com alguns pequenos descontos” pela moradia e pela comida que seriam oferecidas à família.

Desesperados, os venezuelanos aceitaram a oferta e embarcaram para São Paulo no dia 4 de março. Chegaram ao novo emprego já devendo o valor das passagens dos cinco integrantes da família, num total de R$ 2,2 mil.

Depois da segunda semana de trabalho, as condições oferecidas pelo empregador passaram a ser descumpridas. “Ele nos fazia trabalhar das 6 até as 22, 23 horas. Diziam que até as 19 horas a gente trabalhava pelo salário. Depois daquilo, era hora extra para compensar a comida e a moradia que nos dava.”

Os bolivianos donos do negócio começaram ainda a maltratar os filhos do casal, que eram trancados no quarto “para não atrapalhar” o trabalho dos pais na costura. A pressão por maior rapidez no serviço também era intensa. “Eu costurava 650 calças por semana e eles ainda achavam pouco”, diz a imigrante.

Os empregadores também recolheram os passaportes e certidões de nascimento da família venezuelana, alegando que iriam ajudá-los com a obtenção da documentação junto à Polícia Federal. Passadas duas semanas e sem nenhuma novidade sobre o processo, Stefany e o marido, já muito desconfiados de toda a situação, pediram os documentos de volta e enviaram mensagem para uma conterrânea que vivia no Brasil, pedindo ajuda.

“Ela me levou um dia à Missão Paz (projeto da Igreja Católica) e lá contei tudo que estava passando. Foi aí que me disseram que isso não era permitido pela lei brasileira e que estávamos sendo explorados”, conta.

Decisão. Após três semanas em São Paulo, o casal decidiu deixar o emprego e procurar abrigo na Casa do Migrante, espaço da Missão Paz que dá moradia a estrangeiros. Pediram ao chefe que lhes pagassem o período trabalhado, mas o homem se negou, afirmando que o casal ainda tinha dívidas com ele. “Decidimos ir embora mesmo assim porque era nossa oportunidade de fugir”, conta Stefany, que desde o dia 26 vive com a família no abrigo da missão católica e agora tenta regularizar sua situação no País para poder emitir a carteira de trabalho e buscar um emprego digno.

Segundo o padre Paolo Parise, diretor da Missão Paz, já há sinais de que os venezuelanos são os novos alvos de empresas exploradoras. “Isso acontece com todos os grupos de imigrantes que chegam em grande quantidade. Temos uma ação que faz a ponte entre empregadores e estrangeiros. Desde 2012, quando iniciamos o serviço, 2 mil empresas fizeram contratações dentro da lei, mas outras 2 mil foram impedidas por nós de contratar porque vimos indícios de precarização”, conta.

Segundo o padre, são empresas que geralmente não querem fazer o registro em carteira nem oferecer as demais garantias trabalhistas. “Querem apenas mão de obra barata e tentam se aproveitar da situação de desespero dos imigrantes”, diz.

'Gosto muito do meu país, mas não tinha como ficar'

Saiu ontem de Boa Vista uma segunda leva de venezuelanos encaminhados para outras cidades brasileiras por um acordo entre prefeituras, governo federal e a Agência das Nações Unidas para Refugiados. O grupo, com cerca de 150 pessoas, tinha como destinos Cuiabá e São Paulo. A primeira escala do voo da Força Aérea Brasileira (FAB) foi na capital mato-grossense, onde 66 imigrantes desembarcaram. 

Apesar do cansaço, os venezuelanos estavam otimistas e curiosos. Rosa Gonzalez viajou com o marido e dois filhos adolescentes. Ela contou que chegou ao Brasil há três meses. "Gosto muito do meu país e sonho ainda em voltar, mas agora não tinha como ficar. Há escassez de alimentos", disse. O mesmo voo seguiu para São Paulo, onde os venezuelanos seriam encaminhados para quatro abrigos.

Como ajudar

Na Missão Paz, projeto da Igreja Católica que oferece apoio a imigrantes, há várias formas de ajudar os estrangeiros:

Doações

No momento, os produtos de maior necessidade são os de higiene, como xampu, sabonetes e desodorantes, e itens infantis, como fraldas descartáveis e leite em pó. A Missão Paz já recebe em grande quantidade roupas para adultos e crianças. A entrega das doações deve ser organizada com a entidade pelo telefone (11) 3340-6950 ou pelo e-mail contato@missaonspaz.org

Contribuições em dinheiro

A Missão também aceita doações em dinheiro para manter seus diversos projetos. A contribuição pode ser feita por meio

do site da instituição: www.missaonspaz.org

Oferta de empregos

Empresas interessadas em contratar imigrantes podem entrar em contato com a Missão pelo telefone (11) 3340-6959 ou

pelo e-mail trabalho@missaonspaz.org. /COLABOROU FÁTIMA LESSA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.