Familiares de policiais mortos em acidente em Goiás querem indenização

Militares morreram durante a queda de um helicóptero da Polícia Civil, há sete meses

Rubens Santos, Especial para o Estado, GOIÂNIA ,

09 Novembro 2012 | 15h42

Familiares de policiais mortos na queda de um helicóptero da Polícia Civil, há sete meses em Goias, vâo brigar na justiça por indenizações. As famílias, num total de oito, estão reunidas nesta sexta, 9, na cidade, discutindo os detalhes sobre as ações indenizatórias, contra o Governo de Goiás, proprietário da aeronave, por meio da Secretaria de Segurança Pública.

 

No acidente, morreram os dois pilotos, quatro delegados de Polícia, dois peritos criminais e o suposto assassino de sete pessoas numa fazenda em Doverlândia, no interior de Goiás. O encontro dos familiares ocorre num hotel da cidade, juntamente com advogados da Associação Brasileira de Parentes e Amigos de Vítimas de Acidentes Aéreos (Abrapavaa).

 

Revelaram que também aguardam o resultado do laudo sobre as causas do acidente, que não foi liberado. Sandra Assangi, presidente da Abrapavaa, garante que não foi confeccionado: "Não há laudo sobre as causas do acidente", disse para O Estado. Além da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a anglo-italiana AgustaWestland, fabricante do helicóptero, também deverá ser acionada na Justiça. E os valores de indenização estão sendo discutidos individualmente.

 

Na lista oficial dos passageiros mortos na queda do helicóptero estão: Antônio Gonçalves Pereira dos Santos, delegado e Superintendente da Polícia Judiciária; Bruno Rosa Carneiro, delegado e chefe-adjunto do Grupo Aeropolicial; Osvalmir Carrasco Melati Júnior , piloto da aeronave e delegado-chefe do Grupo Aeropolicial; Jorge Moreira da Silva, delegado Titular da Delegacia Estadual de Repressão a Roubos de Cargas; Vinícius Batista da Silva, delegado titular da Delegacia de Iporá; Marcel de Paula Oliveira, perito criminal lotado em Quirinópolis; Fabiano de Paula Silva, perito criminal lotado em Iporá; Aparecido de Souza Alves, acusado de matar sete pessoas n fazenda em Doverlândia.

 

O helicóptero Koala AW119 Mk-II Enhanced caiu no dia 8 de maio. 15 minutos após decolar de uma fazenda, no interior do Estado, onde foi realizada a reconstituição da Chacina de Doverlândia. O crime ocoreu no dia 28 de abril e a queda do helicóptero foi no dia 8 de maio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.