Famílias chegam ao IML do Rio para reconhecer corpos

RIO - Os corpos de nove vítimas do ataque à Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro, e do atirador já estão no Instituto Médico-Legal (IML) da capital fluminense. Mais dois corpos devem chegar nas próximas horas. As informações são do diretor de polícia técnica científica do Estado, Sérgio da Costa Henrique. As famílias de algumas das vítimas já chegaram ao local para fazer o reconhecimento dos corpos. A expectativa é de que todos sejam liberados até o fim do dia.  

Glauber Gonçalves, O Estado de S. Paulo

07 Abril 2011 | 15h17

 

Veja também:

linkCarta do atirador mostra premeditação

linkDilma chora e se diz 'chocada'

linkAtaque ganha destaque internacional

mais imagens Imagens do local do atentado

som Nos EUA, sociedade tem muita prevenção

som Ouça a cobertura na Estadão ESPN

especialViolência e tragédia nas escolas

"É um trabalho complicado, pois é difícil para pais e mães que perderam crianças que estavam no seu auge, estudando", disse Henrique. O diretor acrescentou que toda a equipe do IML foi reforçada para agilizar os trabalhos. A maioria dos disparos feitos pelo atirador atingiu o tórax e a cabeça das vítimas, de acordo com o Henrique. Ele afirmou também que foram efetuados tiros à queima-roupa.

Abalada, Ana Paula Sampaio de Oliveira, tia de Karine, de 14 anos, uma das vítimas, contou que ficou sabendo do ataque pelo irmão. Segundo ela, a família tentou ligar para o celular da menina, que estava na oitava série e morava com a avó, mas as ligações não eram atendidas. Ela disse ainda que mais tarde um colega encontrou o aparelho e contou que a menina havia deixado cair ao morrer. "Karine começou a fazer atletismo há pouco tempo na escola militar de Sulacap. Estava muito feliz e agora aconteceu isso..."

Mais conteúdo sobre:
tiroteio escola IML Rio colégio atentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.