Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Famílias classe média ocupam prédio da Caixa em Recife

Cento e vinte e oito famílias da classe média baixa ? com salários entre dois e cinco salários mínimos ? ocuparam hoje de madrugada, sob o comando do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), um prédio da Caixa Econômica Federal de 16 andares e 128 apartamentos no Conjunto Residencial Caxangá, bairro da Várzea, no Recife. Segundo o coordenador do MTST, reverendo Marcos Cosmo, o prédio estava desocupado há pelo menos cinco anos e o objetivo é quebrar a burocracia da Caixa e dar acesso à moradia a famílias dessa faixa de renda.?Queremos que o governo crie um financiamento específico para essa faixa, para que eles possam adquirir os apartamentosinvadidos?, afirmou ele, ao propor a compra dos imóveis em 15 anos, com mensalidade de R$ 120,00. Foi a primeira ocupação domovimento com gente de perfil da classe média baixa e média. As 39 invasões do MTST registradas em Pernambuco foramrealizadas com pessoas desempregadas ou que vivem de biscates. As famílias foram arregimentadas na região metropolitana doRecife.Os invasores se encontraram às 4 horas na Avenida Norte, bairro do Rosarinho, onde ocuparam seis ônibus e se dirigiram aoprédio. Um vigilante, que estava na guarita, nada pôde fazer e os invasores, carregando roupas e colchonetes, quebraram a portade vidro que dá acesso ao saguão e subiram as escadas, arrombando e ocupando todos os apartamentos. A Polícia Militar foi ao local e tentou convencer os invasores a desistir da iniciativa.. Não tiveram sucesso e não intervieram. Os vizinhos dos outros blocos do conjunto residencial assistiram à ocupação das suas janelas.A assessoria da Caixa informou que o banco não havia recebido formalmente a proposta de compra dos apartamentos e estáestudando a situação do prédio. Já Roberto Bastos, supervisor da empresa construtora do conjunto residencial, disse que vaitentar negociar um acordo com os invasores. Se não conseguir, irá buscar os seus direitos na justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.