Famílias de estudantes atropelados pedem ação do MP

Familiares dos estudantes Valdecir Vidal dos Santos, de 22 anos, e Ricardo Cruz, de 16, atropelados e mortos em um ponto de ônibus por um automóvel em alta velocidade na noite da última sexta-feira pediram nesta quarta-feira ao Ministério Público Criminal de Sorocaba o acompanhamento do inquérito que apura as mortes.Segundo o tio de uma das vítimas, Paulo Henrique Santos, o carro que atingiu os rapazes participava de um racha, mas seu condutor não tinha sido, até esta quarta, indiciado em inquérito.O acidente aconteceu às 22h45, no quilômetro 104 da Rodovia Raposo Tavares, em Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo. O automóvel Polo Classic, dirigido pelo estudante universitário Eduardo Masami Kichise, de 24 anos, saiu da pista e atropelou Santos e Cruz em um ponto de ônibus. No local, a rodovia é duplicada e iluminada.Segundo a Polícia Rodoviária, com o impacto, as vítimas foram lançadas a 60 metros e tiveram morte instantânea. Os corpos foram levados para o Instituto Médico-Legal (IML). Os familiares tiveram dificuldade para reconhecer os corpos porque ficaram dilacerados.O carro foi parar a 200 metros do local do acidente, mas o motorista nada sofreu. O estudante alegou ter perdido o controle do veículo quando mudava de faixa para dar passagem a outro carro. Já o motorista de caminhão Adelson Cucco disse que o motorista do Polo disputava um racha com o Gol. Outra testemunha disse que o carro estava em alta velocidade.Segundo os policiais rodoviários, Kichise disse que havia tomado uma lata de cerveja. A Polícia Civil não requisitou exame de dosagem alcoólica, mas informou que o autor dos atropelamentos será indiciado em inquérito por homicídio culposo, isto é, sem intenção.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2002 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.