Famílias de membros do PCC protestam

Num clima de choro e revolta, as famílias dos 12 assaltantes mortos pela Polícia Militar durante o bloqueio na rodovia de acesso a Sorocaba, terça-feira, peregrinaram entre o Instituto Médico Legal (IML) e os velórios da cidade para fazer o reconhecimento e providenciar o translado dos corpos. Até a tarde, os familiares tinham reconhecido 11 dos corpos. O reconhecimento era acompanhado de choro e protestos contra o que consideravam excesso de violência. Alguns corpos tinham recebido mais de cinco tiros. Uma funcionária do IML, que não quis se identificar, ficou revoltada com a reação das famílias. "Quando é o filhinho deles que mata e rouba, tudo bem, não é?", observou. O mecânico Abrão Inácio Silva, tio de Gerson Machado da Silva, de 29 anos, considerou a ação da polícia um massacre. "Despejaram chumbo em todo mundo sem dar chance de se entregarem." Segundo ele, o sobrinho nunca tinha sido preso e estava procurando trabalho. "Não sei como ele entrou nessa." Os familiares não sabiam qual o envolvimento de Silva com o bando, nem tinham conhecimento da viagem a Sorocaba. "Não sabemos nem em qual veículo ele estava." Além dele e da mulher, dois irmãos da vítima reconheceram o corpo. "Levou um tiro no rosto", comentou Abrão. Além de Gerson, tinham sido reconhecidos pelos familiares Aleksandro de Oliveira Araújo, Djalma Fernandes Andrade de Souza, o "Djalminha", seu irmão Fábio Fernandes Andrade de Souza, o "Fabinho", Sandro Rogério da Silva, Luciano da Silva Barbosa, Pedro Inácio Francisco, Laércio Antonio Luiz, José Ailton Honorato (o motorista do ônibus) e Jefferson Leandro Andrade. O corpo do assaltante conhecido pela polícia como Vagner da Silva, o "Vaguinho", foi identificado pelos familiares como sendo José Cícero Pereira dos Santos, seu nome verdadeiro. Como a família não portava documentos do morto, o cadáver permaneceu no IML até que estes fossem apresentados. Apenas um corpo não foi procurado pelos familiares. A maior parte estava sendo transferida para a capital, principalmente para os bairros de São Miguel Paulista e Guaianases.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.