Famílias de PMs do DF ocupam e acampam em becos

Cerca de 450 funcionários do Serviço de Vigilância do Uso do Solo (Siv-Solo) do governo do Distrito Federal e policiais militares foram utilizados para desobstruir os becos entre diversas quadras em Taguatinga, cidade-satélite de Brasília. Os locais estavam sendo ocupados irregularmente por PMs e integrantes do Corpo de Bombeiros, fato que aumentou o clima de tensão no local. Na semana passada, policiais entraram em confronto com os próprios colegas para evitar a destruição das casas construídas nos becos. Hoje, a mulher de um PM chegou a se algemar na janela da residência para evitar a desocupação.Apesar do clima tenso, o Servi-Solo conseguiu negociar com as 33 famílias de invasores dos becos, prorrogando por mais dois dias o prazo para que os becos fossem desocupados. Na sexta-feira, os moradores queimaram cerca de 500 pneus, interromperam o trânsito de uma das mais movimentadas avenidas de Taguatinga e ameaçaram os policiais que estavam tentando desobstruir os becos, onde PMs estavam com suas famílias. Nesta segunda-feira, o governo do Distrito Federal chegou a fechar várias ruas próximas ao local, temendo novas represálias, o que acabou não acontecendo.Na chegada do Siv-Solo e da Polícia Militar, a mulher do PM Robson Ferreira pegou a algema do marido e se prendeu à janela, chegando a fazer ameaças de que iria se armar para resistir. No entanto, pouco depois ela foi convencida por vizinhos a desistir do protesto, diante da promessa do governo de que ficariam por mais dois dias no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.