Famílias do voo 447 recorrem a franceses por indenizações

Grupo vai se unir com franceses e alemães que também perderam familiares no acidente da Air France

Márcia Vieira, O Estado de S. Paulo,

06 Julho 2009 | 18h40

A Associação Brasileira das Famílias das Vítimas do acidente com o voo 447 da Air France no dia 31 de maio vai unir forças com as famílias francesas e alemãs. Quatro representantes da associação passaram uma semana em Paris conversando sobre o melhor caminho para não só discutir os valores das indenizações quanto para acompanhar as investigações sobre as causas do acidente. Na maior catástrofe da história da Air France morreram 228 pessoas, entre elas 61 franceses, 58 brasileiros e 26 alemães.

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo  

 

"O resultado da viagem foi muito bom. Nós fomos lá para interagir com associação das famílias das vítimas francesas. A partir de agora vamos trocar informações durante o longo processo de reparação e investigação", explica Nelson Marinho, representante da associação brasileira, que perdeu o filho, Nélson Marinho Filho, de 40 anos, na tragédia.

 

No encontro com Christophe Guillot-Noël, presidente da associação francesa, Marinho descobriu que as famílias da França recebem mais apoio do que os brasileiros. "Aqui não conseguimos nem que o governo nos amparasse no sentido de providenciar documentos já que tem corpos que não vão aparecer. O do meu filho, por exemplo."

 

Na viagem, os brasileiros conheceram o escritório de advocacia Podhurst Orseck, com sede nos Estados Unidos, e filial em Paris, especializado em acidentes aéreos. Marinho vai contratar o escritório para cuidar do caso do seu filho. "Pelas minhas pesquisas só um escritório internacional tem capacidade de negociar neste caso. Temos um longo caminho a percorrer. " O maior medo de Nelson Marinho e de outros familiares das vítimas é não descobrir as causas da queda do avião.

 

Em Paris, ele teve um encontro no Bureau d'Enquête et Analyses, órgão do governo francês que investiga o acidente. Na quinta-feira passada, o escritório divulgou seu primeiro relatório, mas ainda não tem pista do que provocou a queda do avião que fazia o trajeto Rio-Paris.

 

"Não saber o que aconteceu é desesperador para as famílias. E quando se trata de dinheiro, tudo fica mais complicado. Às vezes me faz até pensar que tem gente que torce para que as caixas-pretas não apareçam. Mas as três associações juntas vão pressionar para saber o que aconteceu." No dia 18, Marinho deve ir a Berlim para um encontro da associação das famílias alemãs.

 

Marinho foi a Paris por um companhia aérea brasileira. Foi e voltou checando a velocidade do Airbus 330 ( o mesmo do acidente) pelo monitor que exibe aos passageiros os dados do voo. "Passei na ida e na volta pelo lugar onde está o corpo do meu filho. Estou em pedaços."

Mais conteúdo sobre:
AF 447 avião acidente Air France voo 447

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.