Famílias invadem área de risco em Campinas

Vinte e oito famílias invadiram, no início desta semana, um conjunto de apartamentos inacabados noCondomínio Cidades da Espanha, entre os bairros Santa Cândida e Mansões de Santo Antônio, em Campinas, a 90 quilômetros de São Paulo.A Defesa Civil da cidade alertou os invasores para que evitem contato com a terra do local, já que parte do bairro Mansões de Santo Antônio está contaminada por solventes despejados pela empresa Proquima, que operou no local.As famílias que ocuparam o conjunto de apartamentos vieram de uma área da Favela Moscou. Elas alegam que moravam em área de risco, próxima ao Córrego Anhumas. Nesta sexta-feira, técnicosda Companhia de Habitação Popular de Campinas (Cohab) constataram que oito das famílias de fato vivem em área de risco e iniciaram um processo de reassentamento.Essas oito famílias serão transferidas para uma "área de reserva" de três empreendimentos da Cohab - Floresta, Vida Nova e São Luiz. São loteamentos populares que têm alguns lotesde reserva justamente para famílias que residem em áreas de risco. A Cohab não informa quantos lotes integram a reserva.Segundo a assessoria de imprensa da Cohab, as famílias vão escolher onde morar e receberão uma cesta básica de materiais para construir suas casas, tudo financiado pelo município. O destino das outras 20 famílias, no entanto, nãoestá definido.O advogado de 70 condôminos do Cidades da Espanha,Antonio Carlos Mabilia, entrou nesta sexta-feira com um pedido de reintegração de posse. O advogado espera obter a liminar na próxima segunda-feira e disse que outras famílias da Favela Moscou estão ameaçando invadir o local.As obras foram paralisadas há quatro anos, quando apenas um dos quatro prédios de apartamentos, com35 unidades cada, havia sido erguido, sem acabamento. Segundo Mabilia, as obras foram interrompidas porque houve troca de proprietários e a questão não está totalmente resolvida.A antiga proprietária, Savoy Construtora, se recusa a retirar seu nome do registro do empreendimento, que pertence agora à Mog Construtora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.