Famílias não queriam divulgar nomes com medo de golpistas

Advogado que perdeu os pais na queda do voo 447 deu exemplo do que ocorreu com vítimas do acidente da Gol

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2009 | 18h37

O advogado Marco Túlio Moreno Marques, que perdeu os pais no acidente da Air France, revelou que muitos familiares que estão no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, não queriam a divulgação dos nomes dos parentes que morreram no acidente, com medo da ação de golpistas. "Todos se lembram que na época do acidente da Gol, oportunistas usaram nomes das pessoas mortas para fazer compras e abrir financiamentos. Os familiares das vítimas tiveram sérias dificuldades no momento do inventário por conta das dívidas contraídas pelos falsários", afirmou o advogado.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

lista Lista de brasileiros que estavam no voo

lista Lista de todos os passageiros que estavam no voo

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

mais imagens Galeria: famílias de vítimas

mais imagens Galeria: buscas

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video Entenda a operação que localizou destroços

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

 

Marques se referiu ao acidente com o Boeing 737-800, com 155 pessoas a bordo, que desapareceu do radar quando voava de Manaus para Brasília. Não houve sobreviventes. Depois ficou apurado que a queda foi provocada pelo choque da aeronave com um avião Legacy, pilotado por americanos.

 

O advogado também não queria os nomes dos pais divulgados na lista com os nomes da vítimas que seria divulgada pela Air France, mas depois se conformou. "Não adiantou muito, porque a imprensa publicou antes", disse o advogado. Segundo ele, os pais viajavam para Paris "como quem viajava até Petrópolis" (região serrana do Rio).

 

No domingo, o casal José Gregório, de 72 anos, e Maria Thereza Moreno Marques, de 69 anos, embarcaram para comemorar o aniversário de José Gregório na capital francesa. "Não tínhamos o hábito de levá-los ao aeroporto porque eles viajavam sempre", revelou o filho do casal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.