REUTERS/Leonardo Benassatto
REUTERS/Leonardo Benassatto

Famílias são retiradas de áreas próximas a barragens da Vale

Novo estudo considera possibilidade de colapso de represas do Complexo de Fábrica, em Ouro Preto (MG)

Leonardo Augusto, especial para O Estado

01 de julho de 2020 | 11h29

BELO HORIZONTE - Moradores das zonas rurais de Ouro Preto e Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, foram retirados de suas casas na manhã desta quarta, 1.º, depois da revisão e aumento na área que pode vir a ser atingida por um possível rompimento de barragens de rejeito de minério de ferro da Vale. A Defesa Civil ainda não divulgou o número de famílias que poderiam ser atingidas em caso de ruptura das estruturas. Com o estudo anterior, 11 famílias já tinham sido retiradas da área de possível alcance da lama.

As barragens que tiveram aumentado o perímetro de destruição, o chamado dam break, são: Forquilha I, II, III e IV, do Complexo de Fábrica, em Ouro Preto, mas com alcance ao município vizinho de Itabirito. 

Em outubro do ano passado, a Vale elevou para o nível 1 o protocolo de emergência para a barragem de Forquilha IV, o que não requer retirada de moradores de áreas próximas, mas indica que a represa não está em condições ideais, apesar de ainda sob controle da empresa que a administra. A escala vai até três, que aponta para ruptura a qualquer momento, como o caso da barragem da mineradora em Barão de Cocais, também em Minas Gerais.

Segundo informações da Defesa Civil de Minas Gerais, o novo estudo passou a considerar a possibilidade de colapso das quatro represas ao mesmo tempo. A corporação disse que vai conduzir a realocação das famílias. "Além da hospedagem em hotéis e, posteriormente, em moradias temporárias com aluguel social custeado pela Vale, serão assistidas por atendimento psicossocial, alimentação e transporte para necessidades básicas e emergenciais, como trabalho, escola e consulta médica".

Em nota, a Defesa Civil pontuou não ter ocorrido alteração nos dados técnicos das estruturas ao longo dos últimos meses, e que inspeções não detectaram anomalias. "As barragens do Complexo de Fábrica são monitoradas continuamente por meio de piezômetros automatizados, radares terrestres, estações robóticas totais, capazes de detectar movimentações milimétricas, e microssísmica, além de observadas por câmeras de vigilância 24 horas por dia pelo Centro de Monitoramento Técnico (CGM) da Vale".

Ainda segundo a Defesa Civil, os animais das famílias serão "resgatados e acolhidos na fazenda administrada pela Vale na região, onde ficam sob cuidados de 50 médicos veterinários, biólogos e auxiliares. A operação cumprirá todos os protocolos de saúde e segurança recomendados diante do quadro de pandemia da Covid-19". O Estadão entrou em contato com a Vale e aguarda retorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.