Reprodução/Facebook/UbajaraEleicoes2016
Reprodução/Facebook/UbajaraEleicoes2016

Duas mil pessoas são evacuadas por risco de rompimento de barragem em Ubajara, no CE

Por conta das fortes chuvas na região na última semana, uma parede do reservatório cedeu

Juliana Diógenes e Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2019 | 10h10

Pelo menos dois mil moradores do entorno da barragem Granjeiro, na comunidade rural do município de Ubajara, no Ceará, foram retiradas de casa neste sábado, 16, por risco de rompimento de uma represa do rio Jaburu. A expectativa é de que as famílias retornem nesta terça-feira, 19.

O alerta foi feito pela Defesa Civil do Estado no dia 11 de março e comunicado à Agência Nacional de Águas (ANA), que enviou técnicos ao local. O órgão aplicou penalidade à empresa Agroserra Companhia Agroindustrial Serra da Ibiapaba, empreendimento responsável pela barragem.

Segundo a ANA, houve descumprimento da lei de segurança por parte da Agroserra. A antiga usina de álcool e açúcar está desativada há pelo menos 10 anos, segundo informou ao Estado o prefeito de Ubajara, Rene Vasconcelos.  "A barragem está há muito tempo sem manutenção. Havia muita matéria orgânica acumulada", disse. 

Ao todo, 513 famílias evacuaram para casa de parentes e para um abrigo montado pela Prefeitura de Ubajara e pela Diocese de Tianguá, município próximo. O equipamento tem capacidade para 150 pessoas e está totalmente ocupado.  A maioria dos moradores é agricultor do distrito de Jaburuna e seis comunidades adjacentes à barragem.

Em função das fortes chuvas na região, uma parede do reservatório cedeu, gerando uma cratera e o risco de rompimento total. O trabalho foi conduzido com a ajuda de agentes voluntários e do Corpo de Bombeiros. 

Na tarde deste domingo, a situação da barragem era estável, de acordo com o prefeito. No início da semana, uma fenda se abriu na represa. "Foi feito um trabalho de contenção, com a força de voluntários. Colocamos 12 mil sacos de material na fenda para estancar a sangria", explicou Vasconcelos.

Para evitar o rompimento, será realizada a contenção do processo erosivo no talude a montante (rio acima) da barragem. Medidas para escoamento da água também estão sendo tomadas, como a construção de um sangradouro auxiliar. 

"Já existe um sangradouro desobstruído que estava com muita matéria orgânica. Só com o sangradouro que existia, conseguimos diminuir quase um metro de alutra. A expectativa, com o sangradouro auxiliar, é diminuir pelo menos 50% do volume de chuvas", explicou o prefeito. 

Penalidade

O embargo foi realizado provisoriamente por determinação da Agência Nacional de Águas (ANA), que aplicou penalidade por à Agroserra Companhia Agroindustrial Serra da Ibiapaba.

"A partir de comunicado da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (COGERH/CE) em 12 de março, técnicos do órgão cearense e da ANA foram imediatamente ao local e verificaram uma erosão significativa no talude a montante (rio acima) da barragem, o que pode resultar no rompimento da estrutura. Em função deste risco, foi deflagrada a situação de emergência", informou o órgão federal.

A situação de emergência é decretada em caso de possíveis danos à integridade estrutural e operacional da barragem, à preservação de vidas, à saúde pública, à propriedade e ao meio ambiente.

'Risco mínimo'

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o prefeito afirmou que o risco de rompimento é mínimo. "Queremos trabalhar com 0% de risco e, para isso acontecer, todos os cidadãos devem obedecer à ordem da Defesa Civil e da Agência Nacional das Águas", ressaltou o prefeito, referindo-se à ordem de evacuação.

Enquanto uma parcela das famílias se deslocou para a casa de parentes, outros buscaram atendimento no Santuário da Mãe Rainha, no bairro São Sebastião, onde um abrigo provisório foi instalado para amparar a população.

Ainda segundo o prefeito, um novo sangradouro está sendo construído com o objetivo de diminuir a cota do açude Granjeiro, no mínimo, pela metade. Ainda não há previsão para a conclusão da obra. Estima-se que pelo menos duas mil pessoas tenham sido afetadas pelo alerta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.