Famílias terão de abandonar área ambiental no litoral de SP

As 250 famílias que moram irregularmente em uma área de proteção ambiental chamada Vila Tropicanga, em São Sebastião, litoral norte paulista, vão ter que deixar imediatamente a área por determinação do Tribunal de Justiça. A notícia foi dada pelo promotor de Justiça do município, Bruno de Azevedo, durante a segunda audiência pública sobre o Plano Diretor, realizada pela Câmara Municipal.A Vila Tropicanga é uma das 41 áreas ocupadas irregularmente, as quais a prefeitura quer transformar em Zonas de Especial Interesse Social (Zeis). As Zeis fazem parte do Plano Diretor e foi por meio deste projeto que surgiram as primeiras polêmicas sobre as moradias verticalizadas.Para impedir que esses núcleos sejam transformados em Zeis por meio de decreto do Executivo, o vereador Marcos Leopoldino apresentou uma emenda nesta segunda-feira, durante a segunda audiência, que determina que os núcleos somente poderão ser transformados em Zeis se aprovado pelo Legislativo.Das 52 emendas incorporadas ao Plano Diretor (PD), que ainda serão votadas no ano que vem e precisam de seis votos para serem aprovadas, apenas metade foi lida, devido à ausência dos vereadores. Dos seis vereadores que apresentaram emendas somente dois compareceram.Mais uma vez a questão da construção de prédios foi debatida com a população. Das 50 pessoas que participaram, a maioria é contra as moradias verticalizadas. De acordo com emenda do vereador Wagner Teixeira (PV) somente poderão ser erguidas moradias com até nove metros de altura na orla e prédios de 12 metros em outros locais. Esta emenda vai de encontro com o PD apresentado pela prefeitura, que viabiliza a construção de prédios de até 20 metros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.