Fantasiado de Carlitos, jovem tenta vingar-se de ex-namorada

Um casal foi despertado na manhã desta quinta-feira por um rapaz vestido de Carlitos, célebre personagem de Charles Chaplin. O jovem levava uma cesta de café da manhã. Por sorte, os dois desconfiaram e não abriram a porta. Dentro dacesta, havia um revólver, que seria usado numa vingança.O objetivo do estudante de Direito Apoena de Godoi Silva, de 29 anos, era entrar no apartamento de Luciano Jansen Lievore, de 40 anos, namorado de sua ex-mulher, Fabiana SimõesSilva, de 28. O prédio fica em Cidade Monções, na zona sul de São Paulo.Silva estava acompanhado de sua atual namorada, aestudante Simone Cristina Araújo, de 19 anos, filha do deputado estadual eleito Italo Cardoso (PT). "O que ele pretendia era torturar a ex-mulher e o namorado dela e depois matá-los", acredita o delegado Olavo Reino Francisco, da Seccional Sul.Os policiais apreenderam com Silva uma seringa hipodérmica, um rolo de fita crepe, umabolinha de tênis, três pares de luvas cirúrgicas e uma toalha molhada.O estudante e Simone chegaram ao prédio da Rua Júlio Diniz às 6h45. Desceram de um Fiat vermelho, que fora alugado, e pediram para entrar. Simone segurava a cesta com pães, geléias,manteiga, leite e café. Silva vestia a fantasia. O porteiro não desconfiou de nada e os dois subiram até o 9º andar. Lá, tocaram a campainha do apartamento.Como não era atendido, Silva começou a bater naporta, e Fabiana, que passava alguns dias com o namorado, acordou. Ao ver pelo olho mágico uma pessoa fantasiada, ela se assustou. Reconheceu a voz do ex-marido e decidiu chamar o namorado.Enquanto isso, viu Silva tirar da cesta de café umrevólver. "Ele passou a esmurrar a porta querendo entrar, e a Fabiana telefonou para a polícia", disse Lievore em seu depoimento no 96º Distrito Policial. O casal disse que Silva ficou furioso porque a porta continuou fechada e resolveu irembora com Simone.Quando os agentes chegaram ao prédio, Silva e Simone ainda estavam no carro. A um policial militar, o estudante disse que tinha tirado a inspiração para a fantasia ao ver grupos que fazem telegramas animados. Silva não quis contar, no entanto, o que faria com o casal se tivesse conseguido entrar no apartamento.O jovem só falou que acordou às 4 horas para fazer a maquiagem, no que foi auxiliado por Simone. A toalha molhada encontrada por policiais seria usada para tirar a pintura, segundo Silva, que também se negou a contar como iria utilizaros demais objetos encontrados pelos policiais.De acordo com ele, o revólver calibre 38 havia sido comprado numa favela de Guaianases. "Na delegacia, durante conversa informal, Apoena disseque iria decidir o que fazer com o casal depois que estivesse no apartamento", explicou o delegado Reino Francisco.Silva está cursando Direito na FaculdadeRadial. Simone prestou vestibular para o curso de Relações Públicas da Universidade de São Paulo (USP). Os dois admitiram aos policiais que estão namorando e foram autuados por porte ilegal de arma. Simone pagou fiança de R$ 100 e foi liberada. Para Silva, a polícia arbitrou R$ 250 de fiança. Ele tinha apenas R$ 120 econtinuou preso.Nesta sexta-feira, a polícia vai pedir à Justiça a prisão preventiva do estudante com base nas queixas de ameaça apresentadas por Fabiana em outubro. "Apoena dizia que iria me matar", afirmou a jovem na época. Cardoso disse que Simone e Silva são apenas conhecidos. Disse também que a jovem foi "usada" pelo rapaz. "Minha filha ignorava o que ele pretendia fazer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.