Farta coleta de armas, celulares e drogas em prisão de Niterói

A polícia apreendeu, nesta segunda-feira, 27 celulares, 26 carregadores, um revólver calibre 38, 19 facas e seis serras durante operação realizada no Instituto Penal Edgar Costa, em Niterói, no Grande Rio.Cerca de 150 policiais e agentes penitenciários participaram da revista no presídio, onde também foram encontradas três cordas, com cerca de 20 metros cada, usadas para fuga, além debalança de precisão, dois tabletes de erva seca e 100 gramas de pó branco, que seriam maconha e cocaína.O material encontrado estava embaixo dos colchões, das camas, em buracos camuflados nas paredes e até na rede de esgoto. A erva e o pó estavam dentro de uma televisão. As substâncias serão analisadas pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), da Polícia Civil. A operação contou com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), policiais do 12º Batalhão (Niterói) e do Serviço de Operações Externas do Desipe, além de 36 agentes que trabalham no Edgar Costa.A diretora do presídio, Creuza Rangel, disse que a operação estava sendo planejada havia um mês. ?Ainda não temos como saber de onde veio tanta coisa. Mas estamos tentando colocar ordem na casa. O presídio tem janelas para a rua, e o lado esquerdo da unidade não tem nem muro. É apenas uma cerca de arame farpado?, disse a diretora, que está há apenas dois meses no cargo. Segundo ela, não houve resistência dos presos.O Instituto Penal Edgar Costa abriga hoje 607 detentos, mas a capacidade é de 352. Diariamente, 60 deles cumprem regime semi-aberto, saindo durante o dia para trabalhar e retornando à noite. O secretário de Estado de Justiça, Paulo Saboya, mandou instaurar sindicância administrativa para apurar com o material entrou na unidade.?É claro que o ideal seria que materiais desse tipo não chegassem às mãos dos internos. Porém uma vez que isso ainda ocorre, considero que é nossa obrigação localizá-los e apreendê-los?, disse Saboya. Segundo ele, as vistorias nos presídios do Rio vão continuar.Na sexta-feira passada, foram apreendidos dez celulares e doze carregadores que estavam escondidos em celas da Casa de Custódia Pedro Mello, uma das quinze unidades do Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio, além de um quilo de maconha e um quilo de cocaína. O material estava em buracos na parede, no piso e nas tubulações de esgoto e de ar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.